PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Índice de homicídios na Bahia cresce 50,7% em quatro anos

Especial para o UOL Notícias*<br>Em Salvador

23/02/2011 07h00

Em quatro anos, o número de homicídios na Bahia aumentou 50,7%, de acordo com dados divulgados pela Secretaria da Segurança Pública (SSP). O Estado fechou 2010 com 4.856 assassinatos, ante 3.222 registrados em 2006. Apesar das promessas, desde que tomou posse, em janeiro de 2007, o governador Jaques Wagner (PT) não conseguiu reduzir os índices de homicídios na Bahia. Em seu primeiro ano de administração, foram assassinadas 3.718 pessoas. Em 2008, o número subiu para 4.612 e chegou a 4.825 no ano seguinte.

A onda de violência na Bahia levou o governador Jaques Wagner a promover uma mudança completa no comando da Secretaria da Segurança Pública, logo após tomar posse em seu segundo mandato, no mês passado. Poucos dias após assumir o cargo, o secretário Maurício Teles Barbosa intensificou as mudanças, empossando novos diretores e substituindo delegados que tinham muitos anos de carreira por profissionais mais jovens.

Evolução do número de homicídios na Bahia

  • Fonte: Secretaria da Segurança Pública (SSP)

Segundo o diretor do departamento de Homicídios da Polícia Civil estadual, Arthur Gallas, as causas do aumento da criminalidade no Estado são investigadas em um “estudo científico” realizado pela Secretaria de Segurança Pública do Estado juntamente com as polícias Civil e Militar e que já está na fase final de elaboração.

“É um estudo científico para se tentar chegar ao perfil da vítima e, assim, nortear o nosso trabalho. Isso compreende também avaliação dos locais dos crimes e dias da semana e horários em que foram praticados, a fim de que tenhamos um diagnóstico da situação", afirmou.

O secretário-geral do Sindipoc (Sindicato dos Policiais Civis do Estado da Bahia), Bernardino Gayoso, culpa a falta de investimento do governo pelo crescimento da violência.“Os dados alarmantes de assassinatos são consequência direta da falta de uma política de governo para a segurança pública”, disse

O secretário-geral culpou a falta de concursos para formar novos policiais. “Um Estado que não faz concursos há 14 anos e que possui apenas 3.140 policiais civis, quando a legislação estabelece 6.000, não pode obter outros resultados a não ser este banho de sangue.” Em Salvador, terceira maior cidade do Brasil, o aumento da violência é ainda maior nos últimos quatro anos, passando de 967 homicídios em 2006 para 1.638 em 2010, uma variação de 69%.

Para Domingos Argones Abril Neto, membro da Comissão Nacional de Direitos Humanos da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), “o fenômeno da criminalidade somente será combatido com eficiência quando o governo tratar as mazelas sociais e investir em moradia, saneamento básico, educação e geração de empregos”.

Taxa de homicídio e outros crimes

A taxa de homicídio registrada em Salvador (61 por 100 mil habitantes) é muito superior à recomendada pela OMS (Organização Mundial de Saúde), que considera epidêmicas taxas acima de 10 homicídios para cada 100 mil ao ano. “Os números no Estado também são elevados e chegaram a 36 assassinatos por 100 mil pessoas”, disse Gayoso.  

Além dos homicídios, dados oficiais demonstram que também houve um aumento de outras modalidades criminosas no ano passado em relação a 2009. O número de estupros, por exemplo, passou de 1.419 para 1.868 (alta de 31,6%) e os roubos a bancos saltaram de 47 para 60 (aumento de 27,6%). Somente nos primeiros 40 dias deste ano, a SSP contabilizou 12 assaltos a bancos, a maioria em cidades do interior.

*Com reportagem de Janaina Garcia, em São Paulo

Cotidiano