Topo

Governo americano anuncia medidas para agilizar entrada de brasileiros nos EUA

Thiago Varella

Do UOL, em São Paulo

26/03/2012 12h10Atualizada em 26/03/2012 14h48

O embaixador norte-americano no Brasil, Thomas Shannon, apresentou nesta segunda-feira (26), em São Paulo, um programa que deve desburocratizar a entrada de brasileiros na chegada aos Estados Unidos. Assim que for implementado, o Global Entry possibilitará a brasileiros que ofereçam baixo risco -- ou seja, que não tenham antecedentes criminais, entre outros requerimentos --que entrem em 20 aeroportos americanos sem precisar passar pelo guichê de controle de passaporte.

Para isso, o viajante terá de se inscrever no programa, pagar US$ 100 e passar por uma rigorosa checagem de dados, feita em acordo com a Polícia Federal do Brasil. Uma vez aprovado, assim que chegar aos Estados Unidos, o passageiro irá passar por um quiosque automatizado localizado antes da área de imigração, para que apresente as digitais, passaporte e declaração à alfândega.

A embaixada americana ainda não fez o lançamento do programa porque falta uma assinatura de acordo com o governo brasileiro, algo que deverá ser feito até junho.

Segundo o embaixador, o Global Entry deve agilizar e facilidar a passagem de brasileiros pelos aeroportos americanos.

"Isso vai melhorar a experiência de quem viaja aos EUA com muita frequência. A relação entre os EUA e Brasil é uma das mais importantes para o século 21. Nosso desejo é o de procurar maneiras de aprofundar essas relações. Como governo, nossa missão é a de facilitar e agilizar nossas relações", afirmou Shannon.

MUDANÇA NOS VISTOS

Em 2010, o visto americano passou a ter validade de 10 anos e não mais de 5 para viagens de turismo e de negócios realizadas por brasileiros. Já em janeiro deste ano, os EUA decidiram tornar mais rápida a concessão de vistos para brasileiros. Agora, menores de 16 anos, maiores de 66 anos e quem estiver renovando vistos de negócios e turismo (B1 e B2), trânsito (C1/D), estudante acadêmico (F) e estudante de escola técnica (M) com visto anterior expirado nos últimos 48 meses passarão por um processo simplificado

De acordo com Jaime Ramsey, adido de alfândega e proteção de fronteiras, assim que for implantado, o Global Entry entrará na fase de "projeto-piloto", que durará cerca de um ano e meio. Durante esse período, somente 150 passageiros participarão do programa.

Após esse prazo, outros 1.500 viajantes serão inscritos. Depois dessa fase piloto, o Global Entry será aberto para todos os brasileiros.

Ramsey afirmou que o programa não é destinado a todas pessoas que desejam viajar aos Estados Unidos. "Não é atrativo para famílias que viajam uma vez por ano para ir à Disney, por exemplo. É preciso pagar US$ 100, não reembolsáveis, [e é] válido por cinco anos. O Global Entry é destinado ao viajante frequente, tais como membros da imprensa, funcionários de agências de viagens, empresas aéreas e executivos", afirmou. "Ao fim do período piloto, turistas poderão se inscrever, caso julguem vantajoso para eles", completou.

A expectativa do governo americano é a de que o Brasil lance um programa similar para atender a viajantes norte-americanos.

"Seria bom ter um Global Entry brasileiro na Copa e nas Olimpíadas, por exemplo", disse Ramsey.

Mais Cotidiano