PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Governador do Rio inaugura UPPs no Alemão e diz que capitalismo é fundamental para "justiça social"

Fabio Leite

Do UOL, no Rio

18/04/2012 13h03Atualizada em 18/04/2012 13h10

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), inaugurou nesta quarta-feira (18) as duas primeiras UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) do complexo do Alemão, zona norte da capital, quase um ano e meio após a ocupação da comunidade pelas forças policiais, em novembro de 2010.

Em seu discurso, Cabral afirmou que "sem capitalismo não há justiça social" e que “o medo e o pânico” provocados pela criminalidade no conjunto de favelas expulsou empresas vizinhas e deixou a região abandonada.

"Quando nós viemos pra cá encontramos uma região devastada, abandonada. Empresas brasileiras e multinacionais deixaram a região pelo pânico, pelo medo, pelo pavor, pela impossibilidade de continuar seus negócios diante de todos os absurdos", disse. "E sem capitalismo não há justiça social, não há prosperidade. Quando a paz chega tudo se inverte”, completou o governador.

Cabral afirmou que chegou a se reunir com operadoras de TV a cabo para pedir que elas reduzissem os preços de seus produtos aos moradores do Alemão de modo a combater as ligações clandestinas. "Falei para eles que não dava para combater o 'gatonet' com o preço que eles cobravam. E hoje nós temos TV a cabo a R$ 29,90 com mais de quarenta canais para a comunidade.” 

O governador inaugurou hoje as UPPs Fazendinha e Nova Brasília, somando 21 UPPs instaladas no Estado. No final de março desse ano, as tropas da Força de Pacificação que estavam na comunidade desde 2010 começaram a ser substituídas por policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope).

A partir desta quarta-feira , 660 policiais militares assumirão a segurança nas duas localidades, que reúnem cerca de 40 mil moradores.

Até junho, o governo promete instalar outras seis UPPs nos complexos do Alemão e da Penha. As duas próximas unidades serão as de Adeus Baiana e do Alemão.

Cotidiano