Topo

Ato "fora, Cabral" tem confronto entre PM e manifestantes no Rio

Reynaldo Vasconcelos/Futura Press
Protesto contra o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), tem confronto entre policiais e manifestantes Imagem: Reynaldo Vasconcelos/Futura Press

Gustava Maia

Do UOL, no Rio

2013-08-27T19:39:37

2013-08-27T20:57:50

27/08/2013 19h39Atualizada em 27/08/2013 20h57

Começou com confronto entre a Polícia Militar e manifestantes e pelo menos uma pessoa ferida por um tiro de borracha na cabeça mais um protesto contra o governador Sérgio Cabral (PMDB), que é alvo de dezenas de atos no Rio de Janeiro desde junho. A confusão ocorreu às 19h desta terça-feira (27), no largo do Machado, na zona sul do Rio.

Por volta das 20h35, um novo confronto entre o grupo denominado 'black block' e a PM aconteceu. A polícia atirou bombas de gás e balas de borracha para conter os cerca de 250 manifestantes que tentavam avançar contra o bloqueio que protege o Palácio Guanabara, e o grupo revidou com fogos de artifício.

Protestos no Rio de Janeiro
Protestos no Rio de Janeiro
$escape.getHash()uolbr_tagAlbumEmbed('tagalbum','5105+AND+52727+AND+29229', '')

No início do ato, convocado pelo Facebook e agendado para começar às 18h, cerca de 100 manifestantes começavam a caminhar em direção ao Palácio Guanabara, sede do governo estadual, no mesmo bairro, quando um policial pediu para revistar um deles, que estava mascarado, e ele se negou. Iniciou-se um tumulto e policiais do BPChoque (Batalhão de Polícia de Choque) jogaram uma bomba de efeito moral e atiraram balas de borracha contra o grupo.

Uma mulher, não identificada pela reportagem, foi atingida na testa e ficou com o rosto ensanguentado. Os manifestantes jogaram pedras nos policiais, que recuaram.

No momento do confronto, havia muitos pedestres e veículos transitando pela região. Seguranças da estação de metrô largo do Machado fecharam a entrada.

Após o tumulto, os manifestantes se reagruparam no largo do Machado e reiniciaram a passeata às 19h25. O grupo foi acompanhado por policiais do GPPM (Grupamento de Policiamento de Proximidade em Multidões), da Polícia Militar, que desde o fim de julho acompanha os protestos na cidade, circulando entre os manifestantes e revistando mochilas e bolsas.

O grupo chegou por volta das 20h10 na rua Pinheiro Machado, em Laranjeiras, onde fica o Palácio Guanabara, mas se deparou com uma barreira de grades e policiais militares na altura da travessa Pinto da Rocha.

Às 20h35, um manifestante derrubou uma das grades e a PM atirou bombas de gás e balas de borracha. O grupo 'black block' revidou com bombas e fogos de artifício e a Tropa de Choque chegou para conter os manifestantes.

Na correria, manifestantes saíram da rua Pinheiro Machado e, em seguida, pela rua das Laranjeiras, começaram a quebrar vidraças de lojas, agências bancárias e pontos de ônibus, espalhar lixo pela rua e atear fogo ao material.

O ato

Segundo a descrição do evento, a manifestação segue a pauta da FIP (Frente Independente Popular). "Queremos a abertura de todas as caixas-pretas. Fora Cabral e todos aqueles que vendem e compram o Rio de Janeiro em detrimento do povo carioca", reivindica o ato.

Desde o meio da tarde desta terça, havia policiais e viaturas do BPChoque e de outros batalhões da PM espalhados pela região onde começou protesto e em bairros vizinhos. Procurada pelo UOL, a corporação não informou o efetivo destacado para a manifestação.

Até a hora marcada para o início da manifestação, havia pouco menos de 6.000 confirmações de presença na página da rede social.

Mais Cotidiano