PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Corpo de médico baleado em delegacia é enterrado no ABC paulista

Corpo do pediatra foi enterrado no cemitério Pauliceia, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista - Renato Mendes/Futura Press
Corpo do pediatra foi enterrado no cemitério Pauliceia, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista Imagem: Renato Mendes/Futura Press

Do UOL, em São Paulo

28/04/2014 13h33

Foi enterrado no começo da tarde desta segunda-feira (28), em São Bernardo do Campo (ABC paulista), o corpo do médico pediatra Ricardo Seiti Assanome, morto após ser baleado dentro do 2º Distrito Policial de Santo André (também no ABC) na noite do último sábado (26).

Assanome tinha 27 anos e morreu ontem. Ele estava no distrito para registrar a ocorrência de um pequeno acidente de trânsito, que não conseguira declarar pela internet. Segundo familiares, o médico tentou proteger a namorada, que o acompanhava na delegacia.

O médico foi baleado pelo agente de telecomunicações André Bordwell da Silva, que trabalha no distrito. De acordo com a Secretaria da Segurança Pública, os policiais do 2º DP de Santo André fizeram disparos porque “confundiram a entrada de um policial militar à paisana, que buscava abrigo no distrito, com um ataque de bandidos”.

“A chegada do policial, que, de fato, fugia de bandidos que o perseguiam, provocou tumulto no interior do estabelecimento. As pessoas que estavam na delegacia para registrar ocorrências correram para dentro das áreas internas do DP. Por conta do tumulto, André Bordwell da Silva passou a atirar contra estas pessoas, pensando que fossem marginais invadindo a delegacia”, diz a nota da secretaria.

A secretaria ressalta que os suspeitos que perseguiam o PM à paisana fugiram sem fazer disparos e sem tentar invadir a delegacia.

Os disparos do agente André da Silva fizeram outra vítima: Ricardo Grillo Mahlow, que estaria no distrito para verificar um carro localizado pela polícia -- o veículo dele foi roubado dias antes. Mahlow está internado na UTI do Hospital Bartira, em Santo André. Seu quadro é considerado estável.

Na confusão dentro do distrito, Silva também foi baleado. Ele levou um tiro de um investigador.

O agente foi indiciado em flagrante por homicídio doloso (quando há intenção de matar) e será preso assim que deixar o Hospital Brasil, em Santo André, onde permanece internado sob escolta. A família não autorizou o hospital a fornecer informações sobre o estado de saúde dele.

A Secretaria da Segurança Pública não informou se o investigador que baleou Silva também será indiciado e preso.

O caso é investigado pela Corregedoria da Polícia Civil.

Cotidiano