Agentes penitenciários do Rio entram em greve a partir da meia noite

Do UOL, no Rio

  • Luiz Ackermann/Estadão Conteúdo

    6.dez.2016 - Servidores de várias categorias protestam diante da sede da Alerj

    6.dez.2016 - Servidores de várias categorias protestam diante da sede da Alerj

Os agentes penitenciários do Rio de Janeiro decidiram, em assembleia realizada nesta segunda-feira (16), entrar em greve a partir da meia-noite. De acordo com o presidente do Sindicato dos Servidores do Sistema Penal do Rio de Janeiro, Gutemberg de Oliveira, apenas os serviços essenciais como alimentação, emergência médica e alvará de soltura de presos serão mantidos. O recebimento de visitas, novos presos e o encaminhamento de detentos para varas criminais serão suspensos.

Sem o pagamento das horas extras do segundo semestre de 2016 e também sem as gratificações por metas desde 2015, os agentes reclamam ainda o pagamento do salário de dezembro e do 13º. Eles prometem permanecer assim até a próxima segunda, quando haverá uma nova assembleia.

Os agentes também reclamam das más condições de trabalho -- ao UOL, dois agentes relataram sob a condição de anonimato uma rotina de insegurança e pressão. "Tem presídios com 3.000 pessoas e um efetivo de oito, nove, dez pessoas trabalhando em um dia bom", afirmou um agente. 

Hoje à noite, a Polícia Civil também decide em assembleia se inicia ou não uma paralisação. Na quarta-feira (18), a Associação dos Bombeiros Militares fará assembleia extraordinária para tratar do tema.

A Secretaria de Fazenda informou que o salário de dezembro dos servidores da segurança pública deve ser depositado até o fim da semana, mas não soube informar quando o restante dos funcionários irá receber. Até o momento, apenas os professores tiveram o 13º, pago com recursos do Ministério da Educação, depositado. O restante dos servidores teve o salário de novembro quitado apenas nesta segunda.

Em dezembro, os servidores da segurança engrossaram o ato dos professores e demais servidores públicos e chegaram a invadir a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro durante a votação do pacote de austeridade enviado à Casa pelo governador Luiz Fernando Pezão (PMDB).

Em crise, o Estado declarou calamidade financeira na metade do ano passado e agora estuda formas de cobrir o rombo previsto de 19,3 bilhões para 2017. Entre as medidas estudadas pelo governo, estão um plano de demissão voluntária e a possibilidade de redução de jornada de trabalho dos servidores com redução salarial, medida que depende de decisão do STF (Supremo Tribunal Federal).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos