Topo

Integrantes do MBL, youtuber e servidores brigam e param na delegacia no RS

Integrante de Sindicato protesta perto de policiais militares em Porto Alegre - Reprodução
Integrante de Sindicato protesta perto de policiais militares em Porto Alegre Imagem: Reprodução

Renan Prates

Colaboração para o UOL

21/06/2017 18h03

Integrantes do Movimento Brasil Livre (MBL) entraram em confronto com membros do Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (SIMPA) nesta quarta-feira em Porto Alegre. As duas instituições acompanharam o protesto contra a proposta do prefeito da cidade, Nelso Marchezan, de parcelar os salários do servidores e aumentar a alíquota de contribuição da previdência.

Um dos integrantes do MBL, o youtuber Arthur Moledo do Val, do canal “Mamãe, falei”, foi um dos detidos pela Guarda Municipal. “Estou detido em Porto Alegre. Motivo: Filmar manifestação. Acusante: Sindicato”, escreveu em sua página oficial do Facebook, que tem mais de 850 mil curtidas.

Do Val foi acusado de provocar os municipários. Durante a confusão, um homem supostamente ligado ao MBL passou a agredir com um cassetete um dos municipários do SIMPA.

Após sair da detenção, os integrantes do MBL fizeram uma transmissão ao vivo na página da entidade no Facebook para dar a versão deles sobre o fato. Segundo Arthur do Val, eles foram hostilizados pelos municipários.

“Vim questionar essa manifestação aparelhada por sindicatos. Pra quem não sabe, essa manifestação é contra o aumento da previdência dos servidores municipais da cidade de Porto Alegre. O prefeito, na sua campanha de austeridade, de corte de gastos, quer aumentar a participação dos funcionários e tirar o imposto que as pessoas pagam, o que é uma coisa que a gente apoia como todo liberal”, disse Do Val.

“O pessoal que está contra isso está se manifestando de forma agressiva. Aqui a gente está pra perguntar algumas contradições deles...Depois que eles agrediram a gente, eles começaram a acusar a gente de ter agredido mulher na frente da Polícia e dos parlamentares. Aí depois eles chamam a gente de fascista. A gente pergunta o que é fascista e eles não sabem responder. Viemos desmascarar a manifestação que é aparelhada por sindicatos. A gente foi recebido com violência, e com certeza isso vai gerar mais inquérito”, completou.

Já o SIMPA acusa o MBL de agressão: “HOJE, no ato público dos municipários, membros do MBL assediaram servidoras e servidores que estavam lutando pelos seus direitos, no Paço Municipal. Não vamos aceitar!”, escreveu a instituição na sua página do Facebook.

Na mesma postagem, o SIMPA publicou um vídeo que até o momento da reportagem tem 19 mil visualizações. O diretor da entidade, Jonas Tarcísio Reis, aparece criticando a atitude ‘proto-fascista’ de um membro do MBL. “Armado com um cassetete, ele atacou um diretor do sindicato, bateu nele na frente da prefeitura, foi filmado, teve fotografia, bater em professor é crime, tem que ir pra cadeia. Bandido tem que ir pra cadeia. Bandido que bate em professor, que educa a sociedade, que educa os trabalhadores, tem que ir pro xilindró”.

O UOL Notícias entrou em contato com o CEIC (Centro Integrado de Comando da Cidade e Porto Alegre) para solicitar as imagens da confusão, mas o órgão apurou que não estava autorizado pela Polícia Civil a fazer a divulgação.

Cotidiano