Prédio em Copacabana é acusado de instalar "chuveiro antimendigo"

Wanderley Preite Sobrinho

  • Reprodução/Facebook

A Prefeitura do Rio de Janeiro investiga a denúncia de que o edifício do cinema Roxy, em Copacabana, instalou chuveiros "antimendigos" em sua marquise. A secretária de Direitos Humanos da cidade, Teresa Bergher, visitou o local, na rua Bolívar, 45, no último domingo (6) e já acionou a Secretaria Municipal de Urbanismo e a Gerência de Licenciamento e Fiscalização da Zona Sul.

A polêmica começou na última sexta-feira (4) quando a página no Facebook da Sociedade Amigos de Copacabana publicou um vídeo mostrando a instalação dos chuveiros e a suposta razão: "afastar moradores de rua". Muitas denúncias, inclusive de moradores do prédio, chegaram à prefeitura, que decidiu tomar providências.

"A secretaria já fez a solicitação para averiguar se o objetivo dos chuveiros era espantar os moradores de rua. Se comprovada a denúncia, o condomínio irá responder na Justiça", informou a assessoria de imprensa ao UOL.

De acordo com a secretaria, a legislação proíbe a remoção forçada de moradores de rua. "Eles são encaminhados para o abrigo quando manifestam vontade de ir. Não existe obrigação legal de recolhimento compulsório e a sociedade não pode tomar as decisões de repressão à população de rua porque ela é vítima. Quase todas as pessoas ali são trabalhadores vivendo em situação de vulnerabilidade."

 

Segundo a pasta, o número de moradores de rua triplicou nos últimos três anos: passou de 5 mil para 15 mil. "A secretaria entende o incômodo da sociedade, mas existe uma realidade que precisa ser enfrentada que não se resolve dando banho em pessoas em situação de dificuldade."
Ainda de acordo com a assessoria, Teresa "ficou indignada e pediu para que a denúncia seja investigada e providências sejam tomadas".

Procurado pela reportagem, o Edifício Roxy respondeu por meio de seu porteiro-chefe, Carlos Silva, que também é morador do prédio. Ele negou que a instalação dos chuveiros tenha por objetivo espantar mendigos. "Nós vamos colocar uns vasos de planta. Os chuveiros foram colocados ali para regar. A previsão [para instalar os vasos] eu não sei. Estamos vendo o modelo, se não eles [moradores de rua] podem afastá-los."

Embora negue as acusações, Silva admitiu o incômodo causado pelos mendigos. "Quando tinha 18 moradores de rua lá, ninguém se manifestava. Eu também moro no segundo andar, de frente. Por várias vezes eu acordava às 3h da manhã com o barulho deles consumindo droga, brigando e abordando os moradores para pedir dinheiro e comida."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos