Advogado negro é ameaçado com cartaz colado em poste em SC: "comunista e macumbeiro"

Demétrio Vecchioli

Colaboração para o UOL

  • Reprodução/Facebook

    Cartaz mostra símbolo da Ku Klux Klan e faz ameaças ao advogado Marco Antonio André

    Cartaz mostra símbolo da Ku Klux Klan e faz ameaças ao advogado Marco Antonio André

Marco Antonio André foi colocar o lixo na rua no último domingo (24) à noite quando se deparou com um cartaz na porta da sua casa e outro idêntico no poste ao lado. O conteúdo o deixou no chão. "Negro, comunista, antifa (antifascista) e macumbeiro. Estamos de olho em você." O símbolo da Ku Klux Klan e uma ilustração de um membro da seita racista norte-americana apontando para o leitor não poderiam ser mais claros no recado.

Advogado de 40 anos, negro, militante da causa negra e praticante de religiões de matrizes africanas, André é, claramente, o alvo das ofensas. Até porque, para não deixar dúvidas das intenções, os agressores colaram os cartazes apenas no poste e na porta da casa dele. E em mais nenhum local de Blumenau (SC), tradicional colônia alemã que, em outubro, organiza a gigante Oktoberfest.

Nascido em São Paulo, mas morador da cidade catarinense há 10 anos – mudou-se por causa de uma antiga namorada gaúcha –, André está acostumado com o racismo. "Todo ano eu desfilo com os trajes típicos alemães e em todo desfile há problemas, gente que me ofende. Já jogaram copo de chopp na minha cabeça", conta o advogado ao UOL. Ele diz ser "mais adepto" de Martin Luther King do que de Malcolm X.

Um dia depois de compartilhar imagens dos cartazes em suas redes sociais e ainda assustado com a repercussão do fato, Marco tenta ligar os fatos para entender o que pode ter motivado os ataques. Alguns fatores externos estão muito claros, diante do crescimento de movimentos de ultra-direita tanto nos Estados Unidos quanto na Alemanha. Nos EUA, recentemente um protesto pela supremacia branca causou revolta ao redor do mundo, mas não mereceu críticas assertivas do presidente norte-americano Donald Trump.

"Há um discurso de ódio no Brasil e no mundo hoje, um discurso vigorando tanto da extrema esquerda quanto da extrema direita. Um dos meus amigos escreveu que a Caixa de Pandora foi aberta e eu acho que é isso. Quando o Trump assume a presidência, isso dá força ainda mais para segmentos que têm esse discurso que passa de nacionalismo", argumenta.

Outros fatores são locais e estão diretamente ligados à militância de Marco em uma cidade que está prestes a diplomar, como suplente, o segundo vereador negro de sua história, apenas. "Eu tenho há muito tempo um enfrentamento muito claro com o antifascismo e o racismo. Minha atuação no direito penal vai muito além de defender o acusado, mas defender as causas de direitos humanos", explica.

Nos últimos tempos, Marco, que é pesquisador Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da Universidade Regional de Blumenau, tem batalhado pela criação de uma Comissão da Verdade sobre a Escravidão Negra na OAB da cidade.

Além disso, só recentemente é que ele assumiu publicamente ser filho de uma casa de umbanda e candomblé. "Assumi justamente como resistência às questões que vêm acontecendo. Toda sexta a gente se veste de branco para propagar a paz, o amor. Há uma agressão real contra as religiões de matriz africanas. Macumbeiro é o cara que toca a macumba, o instrumento musical, mas o termo é usado pejorativamente. Mas, ok, sou macumbeiro, gosto de um batuque", afirma, citando que, na sexta, havia postado nas redes sociais uma foto expondo suas guias.

Quando a ser comunista, André, que na juventude militou no MR8 (Movimento Revolucionário Oito de Outubro), agora diz ser contra qualquer tipo de radicalismo. Mas pondera: "Se ser comunista é se preocupar com os outros, então eu sou sim comunista."

Reprodução/Facebook
Marco já foi ofendido por desfilar com os trajes típicos alemães na Oktoberfest

Repercussão

O advogado, que atendeu ao UOL pelo telefone na manhã desta terça-feira (26), disse que só à tarde irá à delegacia do bairro para prestar queixa. Mas tanto a Polícia Civil quanto a Militar e o Ministério Público da cidade já trabalham em conjunto para identificar os criminosos. O presidente da OAB de Blumenau também já colocou a instituição à disposição para ajudar no que for preciso.

Mas Marco Antonio André duvida que os criminosos sejam identificados, uma vez que a rua na qual ele mora é pequena e não tem câmeras de segurança – a única instalada está quebrada. Para ele, o importante é que o crime sirva como lição e ajude no combate ao racismo.

"Sou um tipo de militante que prefiro agregar do que desagregar", diz Marco, que garante não se sentir ameaçado em Blumenau, apesar das diversas vezes em que foi alvo de racismo. "O racismo é institucional, ele está na sociedade", argumenta. "Os descendentes de alemães em Blumenau são pessoas boas, assim como os italianos. Não podemos rotular uma cidade."

Apesar das agressões, Marco pretende mais uma vez se vestir de alemão para desfilar na tradicional parada da Octoberfest. Quando a reportagem perguntou se ele recomendaria que comunistas, negros e praticantes de religiões afro visitassem a cidade durante o festival, o advogado ficou em silêncio, riu, pensou, e disse:

"Não vou jogar contra minha cidade. É uma festa importante para a economia da cidade. Talvez o coletivo diga que devêssemos boicotar. Mas sou contra. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. Venham para a festa sim. Venham de peito aberto, para se divertir. Tragam amor. Minha religião prega o amor ao próximo, não posso ir na contramão."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos