Topo

"Hospital parecia uma praça de guerra", diz prefeito de Janaúba

Janaina Garcia

Do UOL, em São Paulo

05/10/2017 15h49

As dependências do hospital regional de Janaúba, no Norte de Minas Gerais, se assemelhavam na manhã desta quinta-feira (5) a uma “praça de guerra” logo depois que as primeiras vítimas de um incêndio começaram a chegar ao local. A descrição foi dada ao UOL pelo prefeito da cidade, Carlos Isaildon Mendes (PSDB), que se dirigiu ao local antes mesmo de ir à creche onde o ataque promovido por um homem de 50 anos foi registrado.

Segundo o Corpo de Bombeiros, ao menos quatro crianças morreram queimadas -- Juan Pablo Cruz dos Santos, Luiz Davi Carlos Rodrigues, Juan Miguel Soares Silva e Ana Clara Ferreira Silva, todas, com quatro anos de idade.

Juntamente com a Fundação Hospitalar de Janaúba, o hospital regional recebeu boa parte dos pelo menos 15 feridos graves no ataque, entre os quais, o próprio suspeito, o segurança Damião Soares dos Santos, 50. A Polícia Civil confirmou a morte do segurança.

Outras 25 pessoas tiveram ferimentos de menor gravidade, segundo a Secretaria Municipal de Saúde.

“O clima na cidade é de muita consternação; mais cedo, dentro do hospital, parecia uma praça de guerra com aquela gente toda ferida”, disse o prefeito.

Segundo o prefeito, apesar de o suspeito estar internado na mesma unidade onde estão vítimas e familiares à espera de notícias, “não há riscos à segurança”.

“Porque boa parte do efetivo das polícias e dos bombeiros está no hospital também. Hoje é um dia muito tumultuado, mas o governo está dando todo o apoio à cidade”, disse.

Mais Cotidiano