Topo

Ativista da bicicleta morre após ser atropelado no DF: "vítima do que lutava contra"

Reprodução/Facebook
Raul Aragão (centro) foi hospitalizado, mas não resistiu aos ferimentos Imagem: Reprodução/Facebook

Lucas Borges Teixeira

Colaboração para o UOL

22/10/2017 13h04

Um ciclista da ONG Rodas da Paz morreu na manhã deste domingo (22) em decorrência de um atropelamento na tarde do último sábado (21) em Brasília. Raul Aragão, 23, também participava do coletivo Bike Anjo. Organizações e amigos lamentam o ocorrido.

Aragão foi atropelado por volta das 14h30 do sábado na região central de Brasília, em frente à Secretaria da Educação. O ciclista foi levado ao Hospital Base em estado grave, mas não resistiu aos ferimentos.

O motorista, de 18 anos, não deixou o local do acidente e foi submetido ao teste de bafômetro. De acordo com a Polícia Militar do Distrito Federal, o exame inicial não indicou embriaguez. A Polícia Civil afirmou que o jovem ainda irá prestar depoimento.

Reprodução/Facebook
Imagem: Reprodução/Facebook

Estudante de sociologia na Universidade de Brasília (UnB), Aragão era um ativista engajado na causa da bicicleta. Ele participava da Rodas da Paz, uma ONG criada em 2003 “com o objetivo de reagir à violência e ao crescente número de acidentes e mortes no trânsito do Distrito Federal”.

“Estamos muito, muito, muito tristes e isso não combina com a sua alegria. Ainda não dá, mas só queremos pensar no quanto foi bonito o nosso encontro”, publicou a ONG nas redes sociais. “Valeu demais, Raulzito, um dos voluntários mais queridos e participativos da Rodas da Paz e de outros grupos voluntários.”

Aragão também participava do coletivo Bike Anjo, que ajuda pessoas a aprenderem a andar de biciclate. “Há exatamente um ano, o Bike Anjo DF publicava esse cartaz com a melhor descrição para o Raul: uma pessoa que AMA BICICLETAS e ADORA (ama!) AJUDAR AS PESSOAS!”, publicou o coletivo em seu Facebook.

Na rede social, amigos e conhecidos também lamentam o ocorrido. “Brasília amanheceu mais triste essa manhã sem a alegria e o sorriso de um dos nossos melhores amigos”, publicou o amigo David Alexandre, ao falar que Aragão foi “vítima daquilo contra o que sempre lutou”. “Hoje não há motivos para sorrir, esteja bem onde estiver, amigo.”