Violência no Rio

RJ fecha 2017 com maior taxa de mortes violentas dos últimos 8 anos

Do UOL, no Rio

  • Fabiano Rocha / Extra / Ag. O Globo

    29.mar.2016 - Mãe abraça caixão com corpo do filho, de apenas 4 anos, morto por bala perdida no Morro do Cajueiro, na zona norte carioca

    29.mar.2016 - Mãe abraça caixão com corpo do filho, de apenas 4 anos, morto por bala perdida no Morro do Cajueiro, na zona norte carioca

O Estado do Rio de Janeiro fechou o ano passado com a maior taxa de mortes violentas desde 2009, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (18) pelo ISP (Instituto de Segurança Pública), órgão do governo fluminense. Foram 6.731 casos em 2017, o que representa uma taxa de 40 mortes violentas por 100 mil habitantes. Em 2009, o mesmo índice foi de 44,9. O levantamento também aponta o maior índice de mortes pela polícia em nove anos.

Entre 2010 e 2016, a estatística de mortes violentas no RJ esteve abaixo da taxa de 40 por 100 mil habitantes. O período reflete a ascensão e o declínio do projeto das UPP (Unidades de Polícia Pacificadora), criado em 2008 na gestão do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) --hoje e preso e condenado por corrupção e outros crimes no âmbito da Operação Lava Jato.

O menor índice de letalidade violenta se verificou em 2012, quando a taxa ficou em 28,2 por 100 mil habitantes. O indicador de mortes violentas é composto por quatro tipos de registro criminal: homicídios dolosos (com intenção), homicídios praticados por policiais, latrocínios (roubo seguido de morte) e lesão corporal seguida de morte.

Letalidade policial quase triplica em 4 anos

De acordo com os dados do ISP, 2017 também foi o ano em que se verificou a maior taxa de homicídios decorrentes de intervenção policial nos últimos nove anos. O índice ficou em 6,7 por 100 mil habitantes --em 2008, era de 7,3. Foram, no total, 1.124 mortos pela polícia no ano passado.

Em relação aos números absolutos, o indicador esteve abaixo de mil casos entre 2010 e 2016, o que também pode estar relacionado com a política de UPPs. Em 2013, o Instituto de Segurança Pública registrou a menor taxa do período: 2,5 por 100 mil habitantes.

O órgão de segurança pública divulgou nesta quinta um balanço com a comparação entre os anos de 2016 e 2017. Em um ano, houve piora nos indicadores de roubo de veículo (aumento de 30,4%), sequestro relâmpago (43,5%) e roubo de aparelho celular (24,7%).

Por outro lado, de janeiro a dezembro do ano passado, a polícia registrou queda nos números referentes a roubo a transeunte (8,3%), roubo a estabelecimento comercial (9,5%) e estelionato (20,2%).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos