Violência no Rio

Máscara e nome escondido: como militares que moram em favelas protegem identidade no Rio

Luis Kawaguti

Do UOL, no Rio

  • Luis Kawaguchi/UOL

    Militar com rosto coberto em operação na Vila Kennedy, zona Oeste do Rio de Janeiro

    Militar com rosto coberto em operação na Vila Kennedy, zona Oeste do Rio de Janeiro

Para não sofrer represálias do crime organizado, militares das Forças Armadas que moram em favelas do Rio de Janeiro estão usando máscaras e cobrindo suas etiquetas de identificação com coletes à prova de balas quando participam de ações da intervenção federal.

Alguns desses militares ouvidos pelo UOL disseram que podem sofrer represálias ou colocar suas famílias em risco se forem identificados por criminosos ao participar de operações. Nas favelas onde eles moram, ninguém sabe que são militares.

"Não é uma questão de ter medo. O que eu não quero é expor os meus familiares, que moram na mesma comunidade", disse à reportagem um soldado do Exército sob anonimato.

"No planejamento de uma operação, eles [comandantes] já tiram quem mora no bairro", disse o militar.

Luis Kawaguchi/UOL
Militares com coletes à prova de balas sobre a identificação na Vila Kennedy

UOL acompanhou duas operações das Forças Armadas, nas favelas Vila Kennedy, na zona oeste carioca, e Jardim Catarina, em São Gonçalo, região metropolitana.

A reportagem observou que parte dos militares andava com os rostos e identificações cobertos, geralmente os soldados que aparentavam ser mais jovens. Sargentos e oficiais mais velhos em geral atuavam sem se preocupar com identificação. 

Outro soldado afirmou que cobrir o rosto e o nome dá mais segurança. "Já aconteceu com um amigo meu de ser escalado no próprio bairro. Nesses casos, o jeito é botar a balaclava", disse.

Balaclava é o nome do gorro justo que cobre todo o rosto do militar deixando visíveis apenas os olhos e parte do nariz.

Popularmente conhecida como touca ninja, ela foi criada no século 19 e era usada por soldados sob o capacete para proteção contra o frio. Tropas que operam em regiões de deserto a usam para evitar a poeira. Mas nada disso se aplica ao Rio de Janeiro.

"Não tem outra utilidade, é só para esconder o rosto mesmo. A gente inclusive fica suando muito por causa disso", disse outro militar.

Outra medida adotada pelos militares é vestir o colete à prova de balas sobre a jaqueta --gandola, no jargão militar--, onde fica grudada uma etiqueta com seu nome. Dessa forma, a identificação não fica visível.

Os comandantes militares não têm repreendido esse tipo de conduta por entender que se trata da segurança do militar que mora em favela.

Um oficial disse ao UOL, sem se identificar, que isso não seria irregular. Ele afirmou que qualquer cidadão que quiser saber a identidade de um militar em uma operação deve se dirigir ao comandante do grupo desse militar (eles nunca andam sozinhos e sempre têm um encarregado presente, por menor que seja o grupo) e fazer a pergunta. O encarregado tem obrigação de dar a informação ou fazer o soldado mostrar sua identificação.

Bruno Kelly/Reuters
Em 2017, militares usaram balaclavas de caveira em operação na Rocinha

Caveiras

Em setembro, militares das Forças Armadas usaram balaclavas com imagens de caveiras durante operações na favela da Rocinha. Reprovada, a conduta foi considerada perturbadora por moradores.

Após fotos serem divulgadas na imprensa, eles foram repreendidos pelos superiores e uma investigação foi aberta. As balaclavas de caveira foram consideradas irregulares.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos