Topo

Irmã e mulher de Marielle pedem à Justiça remoção de 40 vídeos com 'fake news' do YouTube

Marina Lang

Colaboração para o UOL, no Rio

22/03/2018 13h14

A irmã e a mulher da vereadora Marielle Franco (PSOL) --a professora Anielle Silva e a arquiteta Monica Tereza Benício, respectivamente-- entraram com uma ação na Justiça do Rio de Janeiro pedindo a remoção de 40 vídeos em que denunciam a existência de notícias falsas sobre a parlamentar compartilhados no YouTube, plataforma de propriedade do Google.

Elas também pedem o pagamento de reparação de R$ 1 milhão por danos causados e o fornecimento de IPs (espécie de "identidade digital" do usuário de internet) e identidades de usuários responsáveis pelas publicações.

A liminar foi solicitada na quarta-feira (22) por meio de advogadas do PSOL (Partido Socialismo e Liberdade), ao qual a vereadora era filiada, em nome das familiares da Marielle. A ação está nas mãos da juíza Márcia Correia Hollanda, da 47ª Vara Cível da Capital, segundo informou o Tribunal de Justiça.

Veja também:

A ação pede ainda que os vídeos sejam removidos num prazo de 24 horas, passível de multa em caso contrário, e que o Google vete vídeos cujos conteúdos violem a dignidade da vereadora.

O pedido lista os 40 vídeos e informa os números de visualizações de cada um. “Até agora foram contabilizadas 13.405.111 visualizações, a honra e a memória de Marielle Franco foram manchadas para quase treze milhões e meio de pessoas. É um registro sem precedentes. É um caso sem precedentes!”, diz o pedido de liminar, ao qual o UOL teve acesso.

Marielle foi assassinada com quatro tiros na cabeça na noite de 14 de março junto ao motorista que a acompanhava, Anderson Gomes. Desde então, versões mentirosas sobre a vida e a origem de Marielle vêm circulando na internet.

No sábado (17), o UOL antecipou que o PSOL prepara uma ação de calúnia e difamação contra a desembargadora Marilia Castro Neves, que em comentário em uma rede social relacionou Marielle a uma facção criminosa. Dias depois, ela disse ter se "precipitado" ao compartilhar a informação falsa.

“O que ora se requer ao Poder Judiciário, um dos pilares do Estado Democrático de Direito, é justamente esta reação, que é possível, na opinião de Manoel Fernandes; para que o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro seja um paradigma na mudança de consciência da coletividade e um marco para a responsabilização de conteúdos postados na internet”, diz o pedido de liminar.

O UOL procura o Google para comentar o processo.

Reprodução
Imagem: Reprodução

Pistas sobre o assassinato

O Disque Denúncia informa que já recebeu 40 denúncias sobre o caso e encaminhou tudo para a polícia. O anonimato é garantido. Quem tiver qualquer informação a respeito da identificação e localização dos assassinos pode usar os seguintes canais para denunciar:

  • Whatsapp ou Telegram: (21) 98849-6099
  • Central de Atendimento do Disque Denúncia: (21) 2253-1177

"Cria da Maré", vereadora usava mandato para denunciar violência

UOL Notícias

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Cotidiano