Topo

Jovem encontrada em São Paulo foi morta por tribunal do crime, diz delegado

Rafael Pezzo

Colaboração para o UOL, em São Paulo

17/01/2019 10h14

A Polícia Civil paulista acredita que Raquel dos Santos Soares, 20, cujo corpo foi encontrado na última terça-feira (15) na zona sul de São Paulo, foi executada após passar por dois "tribunais do crime". O delegado Olívio Gomes Lyra, titular do 37º Distrito Policial (Campo Limpo), afirmou que ela foi julgada por repassar informações sobre o tráfico de drogas da região a uma facção rival. 

Segundo o delegado, a jovem foi morta entre 21h e 22h de 1º de janeiro, por asfixia. Como o corpo foi encontrado após 15 dias enterrado, uma possível tortura será confirmada somente após a publicação do laudo, que tem até 30 dias para ser divulgado. A hipótese de violência sexual, no entanto, já foi descartada. 

Lyra informou que, até o momento, estão presos o então companheiro da jovem, John Cleber Gaigher da Silva, 24, e duas mulheres - incluindo a proprietária da casa onde teria sido realizado o segundo julgamento. Outros três suspeitos de participação no crime já foram identificados, mas apenas um já teve expedido o mandado de prisão temporária. 

Raquel Santos teria sido assassinada após passar por "tribunal do crime" - Facebook / Reprodução
Raquel Santos teria sido assassinada após passar por "tribunal do crime"
Imagem: Facebook / Reprodução
Na coletiva, o delegado afirmou que John Cleber está sendo investigado por homicídio, formação de quadrilha, organização criminosa e tráfico de drogas.

Raquel estava desaparecida desde as 17h de 31 de dezembro, quando se envolveu em uma briga com uma outra moradora da comunidade do Morro da Lua.

"Para evitar inconvenientes, como a presença da polícia no local, a facção da região decidiu julgar as duas meninas para dar a elas uma espécie de corretivo", disse o delegado. Ele afirma que os traficantes levaram Raquel, seu companheiro, John Cleber, uma mulher e uma adolescente ao Morro da Capadócia, comunidade vizinha. 

"Durante esse primeiro julgamento, descobriu-se que John Cleber e Raquel sabiam de algo a mais. Então, dispensaram as outras duas e levaram o casal para o segundo lugar, no Jardim Imbé", afirmou  Lyra. "Neste segundo local, onde havia outros traficantes, ficou decidido que Raquel tinha passado informações para uma facção rival e que ela deveria morrer", disse o policial.

Conforme relatado pelo delegado, em depoimento, John Cleber afirmou que ele e Raquel foram transportados do primeiro ao segundo julgamento em um carro preto. Para a polícia, o fato de Raquel ter sido levada no porta-malas do veículo indica que ela era o objeto de investigação da quadrilha. Também às autoridades, John Cleber relatou ter presenciado todo o julgamento da companheira, mas não esteve presente no momento da execução.

Não foi encontrada ligação direta da jovem com o tráfico, mas a polícia acredita que o rapaz tenha envolvimento maior com a quadrilha e que, por isso, teria escapado de ser assassinado ao lado de Raquel. 

Raquel tinha duas filhas, ambas de John Cleber, que foram deixadas com os avós paternos entre o primeiro e o segundo julgamento. 

O sepultamento de Raquel foi realizado na manhã desta quarta-feira (16), no Cemitério da Saudade, em Taboão da Serra, na região metropolitana de São Paulo. 

Feminicídio descartado

O delegado afirmou que, apesar de a família ter relatado um histórico violento entre o casal, a hipótese de feminicídio foi descartada após a descoberta dos tribunais do crime. 

"Temos provas robustas de que ela foi submetida a um tribunal do crime e que a razão de ela ter sido assassinada foi por passar informações a uma quadrilha rival", afirmou Lyra. "Nesse caso, não há provas que confirmem o feminicídio. A família está emocionalmente envolvida, então é natural que impute a ele alguma participação. Temos convicção de que ele esteve presente em todo o julgamento, mas a morte não foi por uma briga de casal." 

Em mais de uma oportunidade, Raquel dos Santos publicou em sua página no Facebook fotos de feridas e hematomas que dizia terem sido causadas pelo seu companheiro.

Mais Cotidiano