Topo

Barragem em Barão de Cocais (MG) pode se romper a partir de domingo, diz MP

Ramon Bitencourt/O Tempo/Estadão Conteúdo
Vista geral do entorno da barragem Sul Superior da mina de Gongo Soco, em Minas Gerais Imagem: Ramon Bitencourt/O Tempo/Estadão Conteúdo

Luciana Quierati

Do UOL, em São Paulo

2019-05-16T16:47:04

2019-05-16T20:31:53

16/05/2019 16h47Atualizada em 16/05/2019 20h31

A barragem da mina do Gongo Soco, em Barão de Cocais (MG), pode se romper a partir de domingo (19). É o que aponta documento da Vale a que o Ministério Público do estado teve acesso. A estrutura fica a 100 km de Belo Horizonte e a 144 km de Brumadinho, onde o rompimento de uma barragem da Vale em janeiro deixou 240 mortos e 30 desaparecidos.

Em recomendação emitida hoje, o MP deu prazo de seis horas para a mineradora informar ao órgão como fará para alertar dos riscos a população que pode ser atingida e o apoio que prestará no caso de o rompimento se concretizar. Em nota enviada ao UOL, a Vale disse que "não há elementos técnicos" para afirmar que a barragem pode ser comprometida, mas que está tomando providências e realizará um novo simulado de evacuação no sábado (18) para reforçar o treinamento da comunidade.

Segundo o MP, a mineradora verificou que há uma deformação no talude norte da cava de Gongo Soco, na mina de Gongo Soco, e que, se esse talude se romper, provocará vibrações que poderão comprometer a barragem Sul Superior e levar ao seu rompimento. Ainda segundo o MP, no documento, a Vale estima que, na velocidade em que está a movimentação, a ruptura do talude poderá ocorrer entre domingo (19) e o dia 25 de maio.

"De acordo com os dados atuais de monitoramento pelo radar instalado na cava, existe a possibilidade de deslizamento do talude norte da Cava de Gongo Soco. As trincas no talude estão evoluindo e os dados de monitoramento demonstram que a movimentação no talude norte da cava está aumentando", diz o MP.

A própria Vale informou nesta semana que uma movimentação no talude a fez colocar a barragem em nível de alerta para rompimento.

Talude é a estrutura semelhante a uma escadaria, em grandes proporções, que se forma ao redor da cava, que é de onde se retira o minério de ferro. A barragem Sul Superior, local de depósito do rejeito da produção da mina, fica 1,5 quilômetro à frente da cava.

'Faltam elementos técnicos'

A mineradora disse, no comunicado enviado, que "não há elementos técnicos até o momento para se afirmar que o eventual escorregamento do talude desencadeará gatilho para a ruptura da barragem". Mas que, "mesmo assim, está reforçando o nível de alerta e prontidão para o caso extremo de rompimento" e "monitorando a cava 24 horas por dia".

A empresa disse ainda que intensificará a veiculação de informações em rádios da região e por meio de panfletagem. O novo simulado de evacuação será realizado às 15h deste sábado. "As equipes da Vale vão apoiar a realização do simulado, que será conduzido pela Defesa Civil", disse a empresa.

Alerta constante

A população de Barão de Cocais está em alerta desde 8 de fevereiro, quando 433 pessoas foram retiradas de suas casas durante a madrugada depois que uma empresa de consultoria negou declaração de estabilidade à estrutura da Vale. Essas pessoas, que residiam na área mais crítica, chamada de zona de autossalvamento (ZAZ), estão alocadas em hotéis custeados pela Vale.

Pouco mais de um mês depois, em 22 de março, a sirene do sistema de segurança da barragem da mina da Gongo Soco foi acionada durante a noite. Na ocasião, o município afirmou que "por orientação da Agência Nacional de Mineração (ANM)", o nível de alerta da barragem havia passado para 3, que é o grau máximo.

Os moradores de áreas um pouco menos críticas (zona de segurança secundária, ZSS) continuam em suas casas, mas participaram de simulados em 25 de março para identificação de locais seguros onde se abrigar em caso de rompimento.

Apoio à população

Na recomendação de hoje, o MP pede que a Vale esclareça os riscos a que a população está sujeita, informando por meio de carros de som, jornais e rádios sobre possíveis riscos, potenciais danos e impactos de um eventual rompimento.

Além disso, o MP pede que a empresa forneça às pessoas eventualmente atingidas apoio logístico, psicológico, médico, bem como insumos, alimentação, medicação, transporte e tudo que for necessário, mantendo posto de atendimento 24 horas nas proximidades dos centros das cidades de Barão de Cocais, Santa Bárbara e São Gonçalo do Rio Abaixo.

3ª tragédia? Após Brumadinho, não há garantias sobre segurança de barragens

UOL Notícias

Mais Cotidiano