Topo

Operação da PM deixa 2 mortos em Niterói, e moradores incendeiam ônibus

Moradores do Morro do Preventório, em Niterói, incendeiam ônibus durante protesto - Reprodução de internet
Moradores do Morro do Preventório, em Niterói, incendeiam ônibus durante protesto Imagem: Reprodução de internet

Igor Mello

Do UOL, no Rio

31/05/2019 19h04

Após uma operação policial deixar dois mortos no Morro do Preventório, em Niterói, na região metropolitana do Rio de Janeiro, moradores da comunidade queimaram no começo da noite de hoje dois ônibus durante um protesto. Agentes do 12º BPM (Niterói) foram acionados.

De acordo com a PM, homens do 12º BPM realizaram uma operação para combater o tráfico de drogas na comunidade durante o dia. A corporação diz que os PMs foram recebidos a tiros e, no confronto, dois homens teriam sido mortos.

"Com eles foram arrecadadas armas, rádio transmissor e material entorpecente a contabilizar. Polícia preservando o local até a chegada da perícia da Polícia Civil", diz a PM.

Porém, moradores do Preventório dizem que ao menos uma das vítimas não tinha envolvimento com o tráfico de drogas.

A cantora MC Carol, nascida e criada na comunidade, afirmou que um dos mortos era seu amigo e trabalhava como mototaxista na comunidade. "Não acredito que fizeram isso com esse menino tão doce, tão educado, tão tranquilo, tão alegre. Um tiro nas costas covarde e ainda colocaram ele como bandido", protestou a artista.

Ela afirmou que a vítima tinha 18 anos e estava na porta de uma escola quando foi baleada.

Os ônibus incendiados são usados no corredor BRT Transoceânica, recém-inaugurado na cidade. Por conta do protesto, o túnel Charitas-Cafubá foi interditado nos dois sentidos no fim da tarde, segundo a NitTrans, companhia de tráfego da cidade.

Questionada sobre a declaração da cantora, a PM ainda não se manifestou.

Em nota, o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Passageiros de Niterói a Arraial do Cabo (Sintronac) classificou os incêndios dos ônibus como "ataques terroristas".

"Para o Sintronac, trabalhador não incendeia ônibus, pois depende desse meio de transporte. Quem age com violência contra os coletivos são os bandidos covardes. Mais uma vez, o sindicato reitera que, se não houver uma resposta do Estado para essa onda aparentemente sem fim de violência, que ameaça os rodoviários, a circulação dos coletivos em áreas de risco será suspensa.", diz o informe do sindicato.

Mais Cotidiano