Topo

Empresário e filho morrem em queda de avião em fazenda em Mato Grosso

João Anderson Demski e o pai Jair José Demski morreram em acidente de avião em Mato Grosso - Divulgação/Prefeitura de Guarantã do Norte
João Anderson Demski e o pai Jair José Demski morreram em acidente de avião em Mato Grosso Imagem: Divulgação/Prefeitura de Guarantã do Norte

Aliny Gama

Colaboração para o UOL, em Maceió (AL)

17/09/2019 11h50Atualizada em 17/09/2019 12h52

Um avião monomotor caiu na noite de ontem em uma fazenda em Guarantã do Norte (MT), a 710 km de Cuiabá, e causou a morte de duas pessoas. Segundo o Corpo de Bombeiros, as vítimas são empresário Jair José Demski e o filho dele, João Anderson Demski.

O monomotor pegou fogo ao bater no solo por volta das 18h30 e ficou totalmente destruído. A aeronave, de modelo RV 10, caiu a cerca de 4 km do aeroporto de Guarantã do Norte, próximo ao Instituto Federal do Mato Grosso. Ele saiu de Sinop (MT) e pousaria no aeroporto de Guarantã do Norte.

Houve um pequeno incêndio na área do acidente, que era uma plantação de milho. O Corpo de Bombeiros foi acionado e conteve o fogo com um caminhão-bomba tanque.

Segundo o delegado Waner Santos Neto, titular da delegacia de Guarantã do Norte, os corpos das vítimas foram arremessados da aeronave e ficaram carbonizados. "Após perícia do local, os corpos foram levados para necropsia na Politec e liberados em seguida para enterro", disse.

A Polícia Civil deverá ouvir testemunhas do acidente e familiares das vítimas. Familiares contaram que Jair Demski teria telefonado para um irmão pedindo que ele fosse iluminar a pista do aeroporto, pois estava chegando em Guarantã e tinha anoitecido.

"Vamos ouvir testemunhas e familiares. Há relatos extraoficiais de que o irmão de Jair foi iluminar a pista, mas a aeronave não chegou ao local. Jair não teria citado problemas com o avião. O irmão dele foi até o local do acidente e, por estar bastante abalado, não ouvimos ele ontem, mas será chamado", disse o delegado Waner Santos Neto.

Ainda não se sabe quem das vítimas estava pilotando a aeronave e nem o que teria causado o acidente. "A princípio o piloto era o Jair, mas só a perícia vai apontar quem pilotava o avião", disse o delegado.

A área do acidente foi isolada, e a Politec (Perícia Oficial e Identificação Técnica) periciou o local. A Polícia Civil instaurou inquérito para investigar a causa do acidente e se houve crime. A polícia aguarda a chegada da documentação do avião para saber o prefixo e a quem pertencia, além de saber se estava em dia com inspeções e autorização para voo.

O Seripa (Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) também investigará o que causou a queda do avião.

Segundo os Bombeiros, o avião estava sendo acompanhado por outra aeronave, que trazia funcionários do empresário e conseguiu pousar sem problemas no aeroporto.

A queda foi filmada por moradores da região, que estranharam a altura que a aeronave voava. "Avião baixinho, parece que vai cair. Gente, tá caindo. Caiu!", disse uma testemunha.

Logo após, aparece um clarão no vídeo e moradores relatam a queda da aeronave. "O avião estava rodeando, rodeando o aeroporto e não conseguiu descer. Agora, aconteceu essa tragédia. A cena é muito feia, só Deus para abençoar essa família", relata o homem que filmou a cena.

O velório do empresário e do filho acontece na loja maçônica Acássia do Vale Peixoto, em Guarantã do Norte. O enterro dos corpos ocorrerá nesta tarde, no cemitério municipal.

Jair Demski atuava no ramo de construção civil e possuía seis lojas, sendo a matriz em Guarantã do Norte e as filiais no Pará. O filho dele, João Anderson Demski, era engenheiro e atuava nos empreendimentos da família. A prefeitura de Guarantã do Norte decretou luto oficial por três dias no município.

Mais Cotidiano