PUBLICIDADE
Topo

Homem é suspeito de matar irmã com fio de telefone e ajuda do filho dela

Sandra Maria Sousa Moraes, 39, foi encontrada morta em Vicente Pires (DF) - Reprodução/Redes sociais
Sandra Maria Sousa Moraes, 39, foi encontrada morta em Vicente Pires (DF) Imagem: Reprodução/Redes sociais

Jéssica Nascimento

Colaboração para o UOL, em Brasília

26/11/2019 12h45

Uma mulher de 39 anos foi encontrada morta ontem (25) no Assentamento 26 de Setembro, em Vicente Pires (DF), a cerca de 15 km de Brasília. O corpo dela estava enterrado com um fio de telefone enrolado no pescoço. De acordo com a Polícia Civil, o próprio filho e o irmão da vítima são suspeitos do crime.

A 38ª Delegacia de Polícia, localizada em Vicente Pires, investiga o caso. Segundo as investigações, a cabeleireira Sandra Maria Sousa Moraes provavelmente foi morta no último sábado (23). O irmão dela, o pedreiro Danilo Moraes Gomes, a teria estrangulado até a morte. Já o filho da vítima, Breno Moraes, 21, teria ajudado a esconder o corpo.

O rapaz está preso e responderá por ocultação de cadáver. Já o tio ainda não foi encontrado. Ele é foragido da Justiça do Maranhão estava preso no Complexo Penitenciário de Pedrinhas (MA), onde cumpria pena por estupro e latrocínio. A vítima anterior de Danilo fora estuprada e, em seguida, assassinada justamente com um fio de telefone, segundo a justiça maranhense.

"Estamos buscando em residências próximas àquela em que a vítima foi morta câmeras de segurança para afirmarmos se Danilo Moraes agiu sozinho. O filho da vítima afirma categoricamente que apenas ajudou o tio a ocultar o corpo, porque teria sido forçado", informou o delegado Yury Fernandes.

De acordo com Fernandes, a polícia soube do crime após a filha de Sandra e irmã de Breno, Samara Sousa Moraes, 22 anos, ir até a delegacia. Ela informou que conseguiu fugir da casa do tio, onde estaria presa desde sábado.

"A filha conta que Danilo a teria mantido em cárcere e depois a estuprado", disse o delegado, que já pediu a prisão do suspeito. A Polícia Civil não informou qual seria a motivação do crime.

Cotidiano