PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

'Vi o capacete dela', diz policial que atendeu ocorrência da filha morta

Casal morreu após acidente na BR-226, em Macaíba, região metropolitana de Natal (RN) - Reprodução / Redes Sociais
Casal morreu após acidente na BR-226, em Macaíba, região metropolitana de Natal (RN) Imagem: Reprodução / Redes Sociais

Colaboração para o UOL, em São Paulo

30/11/2020 19h27

O sargento Severino Góis, cuja filha Gabriella Góis morreu em um acidente de moto no Rio Grande do Norte, relatou hoje o que sentiu ao atender à ocorrência que vitimou sua própria filha. Em entrevista ao Bom Dia RN, na afiliada da Globo local, o militar lembrou as brincadeiras da jovem e destacou a preocupação com a esposa.

"Ao chegar ao local, eu vi a moto toda destruída. Falei: 'que pancada violenta, o rapaz destruiu a moto'. E nada de ninguém falar comigo. Aí eu olhei por trás da moto e visualizei um capacete rosa. Era o capacete da minha filha", contou Góis.

"Aí o rapaz veio para perto de mim e disse: 'calma, sargento Góis, foi Gabi'. Eu disse: 'cadê ela, está aqui dentro do Samu?' Ele disse: 'Não, ela está lá dentro da ferragem da caminhonete, os dois estão em óbito'. Quando eu abri a porta, minha filha estava deitada como se estivesse dormindo", relatou o sargento.

Gabriella Nascimento Góis tinha 19 anos e morreu por volta das 17h do sábado (28), quando o namorado, João Vitor Lima da Silva, de 21, bateu com a moto na lateral de uma caminhonete que cruzava a rodovia BR-226, em Macaíba. O casal foi arremessado e morreu na hora. O motorista da caminhonete abandonou o veículo e fugiu.

O corpo de Gabi, como era chamada pela família, foi velado na mesma rodovia em que ela morreu, na casa da família, no distrito de Mangabeira.

"E agora, como é que vai ficar a dor da mãe? E eu? Ela que ajeitava minha farda. Ela tava sempre brincando comigo, me chamando 'e aí, coroa?'", contou o sargento, emocionado.

A família de João Vitor velou o corpo do jovem no mesmo dia. "Meu filho era tudo de bom na minha vida, era um menino trabalhador, fez curso para torneiro mecânico. Amava motocross, amava moto. Era um galeguinho lindo. Ele foi muito planejado, eu sonhava em ter um filho homem e Deus me deu o menino mais lindo que eu já tinha visto", disse a mãe de João Vitor, Maria da Conceição.

Cotidiano