PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

PM tentar separar briga em baile, tem arma roubada e é morto no PR

Fernando Hortz, de 35 anos, morreu baleado em festa no Paraná - Arquivo Pessoal
Fernando Hortz, de 35 anos, morreu baleado em festa no Paraná Imagem: Arquivo Pessoal

Abinoan Santiago

Colaboração para o UOL, em Florianópolis

02/08/2021 12h48

Um soldado da PM (Polícia Militar) do Paraná morreu ontem ao tentar separar uma briga em um baile em uma chácara em Cerro Azul, na região metropolitana de Curitiba.

O militar não resistiu aos ferimentos e morreu na chegada ao Hospital Municipal. O caso é investigado em sigilo pela Polícia Civil.

O boletim de ocorrências da PM aponta que a vítima estava acompanhada de um amigo. Ambos participavam de um aniversário em outro local, quando na madrugada de domingo se deslocaram para uma festa na zona rural de Cerro Azul.

Ao chegarem ao local, ainda segundo o boletim, o militar e o amigo tentaram separar uma briga na chácara. Durante a confusão, ambos acabaram cercados por duas pessoas que passaram a agredi-los. Um dos suspeitos conseguiu tomar a arma e disparou contra Hortz, de acordo com o documento.

Segundo a polícia, foram efetuados três tiros, atingindo o peito e uma das mãos do soldado. Ele não resistiu e morreu após receber atendimento médico. O outro disparo feriu uma das pernas do amigo do militar, mas sem gravidade.

Fernando Hortz estava há nove anos na PM do Paraná - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Fernando Hortz estava há nove anos na PM do Paraná
Imagem: Arquivo Pessoal

Os suspeitos fugiram em um carro modelo Gol, de cor prata e com uma das laterais raspadas, informaram testemunhas. A arma roubada do militar também ainda não foi localizada.

Segundo a Polícia Civil, "o inquérito policial foi instaurado e testemunhas estão sendo ouvidas desde ontem a fim de localizar os suspeitos e estabelecer a dinâmica dos fatos".

Hortz era policial há nove anos, sendo lotado no BPTran (Batalhão de Policiamento de Trânsito), em Curitiba, onde morava. Ele não tinha esposa nem filhos.

"Era uma pessoa muito alegre e nunca o víamos triste, era o tipo de pessoa que tirava dele para ajudar os outros, uma perda muito grande para família e amigos. Dei a ele a vida e em troca me ensinou sobre intensidade, amor e amizade", comentou o pai, Orlando Hortz, ao UOL.

O sepultamento do militar deve ocorrer ao longo da tarde hoje, no Cemitério Parque São Pedro, em Curitiba.

Cotidiano