PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

O que é a intercessão feita por evangélicos? Entenda o vídeo de Michelle

Nicole D'Almeida

Colaboração para o UOL, em São Paulo

05/08/2022 16h28

Vídeos da primeira-dama Michelle Bolsonaro liderando um culto evangélico no Palácio do Planalto viralizaram nas redes sociais ao longo da semana. Nas imagens, publicadas originalmente por ela mesma, um grupo —que ela chama de "intercessores"— desce a rampa do palácio.

Com uma Bíblia nas mãos, ela acompanhou o grupo em uma "vigília" no local, cantou louvores e fez orações.

"Eu sempre oro, toda terça-feira, no gabinete dele quando ele vai embora. Quando o Planalto se fecha, eu entro com meus intercessores e oro na cadeira dele", disse a prima-dama na convenção do PL que confirmou a candidatura de Bolsonaro.

Mas, afinal, quem são os intercessores a quem Michelle Bolsonaro se refere e o que é a intercessão evangélica?

Interceder, como consta no dicionário Michaelis, significa "ser intermediário a favor de alguém; intervir" e "pedir, rogar por outrem ou por alguma coisa".

Portanto, a intercessão evangélica diz respeito a uma pessoa orando em favor de outra, ou seja, se colocando na posição de intercessor entre uma pessoa e Deus.

"Quando intercedemos, nos colocamos entre alguém e Deus, para buscar por sua causa, sentir a dor deste alguém e suplicar por uma solução como se fosse para si; pleitear por uma causa até alcançá-la", explica a Igreja Universal em seu blog.

Uma publicação da Igreja Templo da Aliança Ministério da Adoração dá alguns exemplos bíblicos:

  • quando Abraão suplicou por Ló e este foi liberto da destruição de Sodoma e Gomorra
  • quando Moisés intercedeu por Israel apóstata e foi ouvido
  • e Samuel orou constantemente pela nação

Segundo as religiões, a intercessão evangélica não deve ser feita apenas para quem com quem temos afinidade, mas para qualquer um que esteja precisando dessa oração.

Cotidiano