Conteúdo publicado há 2 meses

Terceirizados da Neoenergia são suspeitos de transferir dívidas para mortos

A Polícia Civil do Distrito Federal cumpriu mandados de busca e apreensão, nesta quinta-feira (18), contra dez funcionários de uma empresa que presta serviços à Neoenergia Distribuição Brasília S/A, concessionária responsável por fornecer energia para a região.

O que aconteceu

Grupo é suspeito de transferir cerca de R$ 13 milhões em dívidas para o nome de pessoas que já morreram ou que não tinham relação com os débitos. Segundo informações da PCDF, esse esquema resultou no cancelamento indevido de débitos e danos financeiros à concessionária.

Envolvidos inseriam dados falsos do sistema para transferir as dívidas. De acordo com a investigação, os funcionários, contratados por uma empresa terceirizada para prestar serviços à Neoernegia, inseriam dados falsos no sistema eletrônico de informações e transferiam as obrigações das dívidas de clientes vivos para o nome de mortos. Por esse motivo, os valores a serem cobrados eram indevidamente cancelados.

Prejuízo pode ser superior a R$ 13 milhões, segundo o delegado Paulo Francisco Pereira. "A auditoria inicial indicou perda aproximada a R$ 13 milhões em um curto intervalo de tempo. Contudo, com o avanço das investigações, suspeita-se que o montante do prejuízo seja substancialmente maior".

Em nota, a Neoenergia disse que, após identificar as irregularidades, notificou a empresa terceirizada e os suspeitos foram demitidos. "A empresa está prestando todas as informações necessárias à investigação e confia nas autoridades criminais para punir todos os responsáveis pelas irregularidades comprovadas", diz a concessionária.

Os dez suspeitos vão responder pelos crimes de estelionato e inserção de dados falsos em sistema de informações. Se condenados, cada um pode ser sentenciado em até 17 anos de prisão. Como não tiveram os nomes revelados, não foi possível localizar suas defesas. O espaço segue aberto para manifestação.

Deixe seu comentário

Só para assinantes