Primeiro-ministro ameaça deportar 100 mil armênios ilegais da Turquia; país retira embaixador dos EUA

Do UOL Notícias*
Em São Paulo

Primeiro-ministro da Turquia, Tayyip Erdogan, avisou que pode deportar até 100 mil armênios residentes ilegais no país depois que os Estados Unidos e a Suécia aprovaram a resolução que qualificou como genocídio a matança de armênios durante a Primeira Guerra Mundial pelo extinto Império Otomano. Erdogan também alertou que a aprovação da resolução poder afetar o progresso no frágil processo de reconciliação entre a Turquia e a Armênia.

Raio-x da Turquia

  • Nome oficial: República da Turquia

    Tipo de governo: Democracia Parlamentar Republicana

    Capital: Ancara

    Divisão administrativa: 81 províncias

    População: 76.805,524

    Grupos etnicos: Turcos 70-75%, Curdos 18% e outras minorias 7-12%

    Religiões: Muçulmanos 99.8% (maioria sunita), outros 0.2% (maioria Cristãos e Judeus)

    Idiomas: Turco (oficial), Curdo e outras minorias

    Fonte: CIA World Factbook 2009

A resolução americana foi confirmada no mês passado e a sueca, no último dia 11.

Depois da decisão, a Turquia retirou seus embaixadores em Washington, nos EUA, e em Estocolmo, na Suécia. A aprovação nos EUA é provisória e o governo de Barack Obama promete impedir sua aprovação para limitar o estrago diplomático. O chanceler sueco, Carl Bildt, disse que a votação pode complicar os esforços de Turquia e da Armênia para normalizarem suas relações após um século de hostilidade.

A questão do massacre de armênios é muito delicada na Turquia, que admite que muitos armênios cristãos foram mortos pelos turcos otomanos, mas nega veementemente o número de vítimas apontado pela Armênia e negam que o massacre tenha sido um genocídio --termo recorrentemente empregado por muitos historiadores ocidentais e por alguns parlamentos.

A maioria dos armênios imigrantes vive e trabalham em Istambul e chegou no país após o terremoto de 1988. Cerca de 170 mil vivem na Turquia e apenas 70 mil são legalizados.

História
Centenas de milhares de armênios morreram entre 1915 e 1916, quando eles foram deportados em massa da Anatólia Oriental (leste da Turquia) pelo Império Otomano. Alguns foram mortos e outros morreram de fome ou de doenças.

A Armênia alega que cerca de 1,5 milhão de seus cidadãos morreu na ocasião, mas a Turquia sustenta que o número de mortos seria de cerca de 300 mil, menos de um terço do que dizem os armênios, e que turcos também morreram durante as operações.

O governo turco reconhece que foram cometidas atrocidades, mas argumenta que elas faziam parte de uma guerra e que não eram uma tentativa de destruição sistemática dos cristãos armênios.

A questão também não é consenso entre os historiadores. Muitos consideram que as mortes tenham sido orquestradas sistematicamente pelos turcos --o que indicaria um genocídio--, e alguns outros, além do governo turco, questionam este argumento.

A Armênia quer que a Turquia reconheça as mortes como um "ato de genocídio", mas sucessivos governos turcos se recusaram a fazê-lo.

O país também tem feito uma campanha pelo reconhecimento internacional dos eventos como genocídio, o que já foi feito por 20 países.

*Com informações de agências internacionais

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos