PUBLICIDADE
Topo

Viajantes enfrentam chegada intimidatória em Paris

Patrulha policial no aeroporto Charles de Gaulle, em Paris, depois da série de ataques ocorrida na sexta-feira (13) - Eric Feferberg/AFP
Patrulha policial no aeroporto Charles de Gaulle, em Paris, depois da série de ataques ocorrida na sexta-feira (13) Imagem: Eric Feferberg/AFP

Carolina Vila-Nova

Do UOL, em Paris

18/11/2015 11h01

Viajantes que desembarcaram nesta quarta-feira (18) no Aeroporto Internacional Charles de Gaulle, em Paris, foram surpreendidos com uma medida de segurança incomum em aeroportos europeus: a checagem dos passaportes ocorreu praticamente na porta do avião, antes que o passageiro entrasse de fato no aeroporto.

Homens vestidos em roupas civis mas identificados por faixas fosforescentes que diziam “Douane” (alfândega, em francês) verificaram a identificação de todos a bordo --mesmo as de franceses e de cidadãos da União Europeia.

Alguns metros adiante, os passageiros passaram novamente pelo controle de fronteiras, desta vez o formal. Franceses e europeus também não foram poupados. Apenas tripulantes tiveram a passagem padrão pela imigração.

“Estive em Madri logo depois dos atentados [em 2004] e era essa mesma sensação de medo, desconfiança e intimidação”, disse o venezuelano Patrick, que vinha de Caracas, via São Paulo, para um evento acadêmico.

Não está claro se a dupla checagem foi implementada apenas nesta quarta, diante das operações em Saint-Denis, a norte de Paris, ou se isso passou a fazer parte da rotina aeroportuária desde os atentados da última sexta-feira (13) em diversos pontos da capital francesa.

Na própria sexta-feira, o presidente François Hollande instituiu controles nas fronteiras francesas. O país está em estado de emergência desde os atentados, que deixaram 129 mortos.

Pesquisa do instituto Ipof divulgada nesta quarta-feira pelo jornal “Le Figaro” aponta que 84% dos franceses apoiam medidas de controle que limitem suas liberdades individuais em favor de uma maior segurança.

Outros 98% consideram alta a ameaça terrorista ao país --contra 93% após os atentados contra o "Charlie Hebdo", em janeiro deste ano.

Metade dos ouvidos na pesquisa disse ter confiança de que o Executivo vá “vencer o terrorismo”.

Ameaça falsa de bomba em voos saindo dos EUA

Dois voos rumo a Paris saindo dos Estados Unidos na noite de ontem foram desviados de suas rotas, pouco após a decolagem, por suspeita de bombas a bordo, informaram as agências de notícias. 

"Os aviões foram objetos de ameaças anônimas após as decolagens", anunciou a companhia aérea Air France em um comunicado.

Um dos voos foi desviado para Salt Lake City, no estado de Utah, depois de partir de Los Angeles (Califórnia) com 497 passageiros. O outro voo, que tinha saído de Washington, foi desviado para Halifax, no Canadá, com 262 pessoas a bordo. Ambos pousaram sem problemas.

Logo após a aterrissagem, a polícia do Canadá e a imprensa dos EUA afirmaram que nenhuma bomba nem qualquer outro tipo de ameaça foram encontradas nas aeronaves.

Uma investigação foi iniciada para identificar a fonte das ligações telefônicas.

Internacional