Topo

Após 72 anos de casamento, casal canadense decide se submeter junto à "morte assistida"

Divulgação
George e Shirley Brickenden foram casados por 72 anos Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo

03/04/2018 11h59

O casal George e Shirley Brickenden morreu, no último dia 27 de março, segurando as mãos um do outro, na cama de um asilo, em Toronto, no Canadá. Ele tinha 95 anos e ela, 94, e estavam casados havia 72 anos.

Os Brickendens foram um dos primeiros casais canadenses a ser submetido à morte assistida. E também um dos poucos a falar sobre esse assunto publicamente. Eles queriam explicar o que os levou a escolher a hora e o local exato de suas mortes.

Segundo reportagem publicada pelo jornal "Globe and Mail", o casal decidiu morrer junto quando o governo federal aprovou uma lei, em junho de 2016, que permitia a morte assistida para pessoas que sofriam “de uma condição grave e irremediável e cujas mortes eram razoavelmente previsíveis”.

Shirley sofria de artrite reumatoide e graves problemas cardíacos. Ela quase morreu quando sofreu um ataque cardíaco em 2016. Analisada por dois médicos, como manda a lei, ela acabou sendo considerada apta para a morte assistida.

George, no entanto, teve a morte assistida recusada pelo segundo médico, inicialmente. No entanto, desde a recusa, sua saúde começou a piorar e ele passou a desmaiar sem nenhum motivo aparente.

Cinco dias antes de morrer, o casal recebeu um repórter do "Globe and Mail" para conversar. O clima no asilo onde os Brickendens moravam estava com um misto de festa e de despedida. Os cinco filhos do casal e uma porção de netos de vários cantos do mundo estavam no local para dizer tchau a George e Shirley.

Shirley se dizia assustada quanto aos seus últimos cinco dias, mas o marido afirmou que estava bem. Eles estavam vibrantes e felizes na companhia da família.

“Nunca ouvi palavras tão gentis. Talvez, deveríamos ficar”, brincou Shirley,

A verdade é o que casal realmente estava em sofrimento. Dois dias depois da festa de despedida, Shirley teve uma crise de dores causada pela artrite.

Para Shanaaz Gokool, diretora-executiva da ONG Dying with Dignity (Morrer com Dignidade, em português), os Brickendens foi o primeiro casal canadense a se submeter a morte assistida junto.

"Foi a articulação final do amor que eles tiveram um pelo outro por quase 73 anos", disse ao "Globe and Mail".

Duas noites antes de morrer, o casal foi jantar no restaurante favorito deles, em Toronto. Na noite seguinte, se despediram de mais de 20 familiares no que foi chamado de "jantar de boa viagem" na casa de uma das filhas.

No dia da morte, beberam champanhe e comeram lagosta e salmão. Pouco antes das 19h, Shirley se virou para o marido e perguntou: "você está pronto?" Eles se deitaram juntos, de mãos dadas, na presença dos filhos, dos dois médicos e de um padre anglicano.

Ao som de música, eles se entreolharam. George, então, se virou para os filhos pela última vez.

"Eu amo todos vocês", disse.