Prisioneiros libertados pela Coreia do Norte chegam aos EUA e são recepcionados por Trump

Do UOL, em São Paulo

Os três prisioneiros americanos libertados pela Coreia do Norte depois do encontro entre o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, e o líder norte-coreano Kim Jong-un desembarcaram nos Estados Unidos às 3h50 (no horário de Brasília) desta quinta-feira (10).

Eles foram recepcionados pelo presidente Donald Trump e a primeira-dama, Melania, e o vice-presidente, Mike Pence, e sua esposa, Karen. Os familiares dos libertados não compareceram no desembarque, informou a Casa Branca.

Após o desembarque, Trump se dirigiu aos jornalistas ainda na pista de aterrissagem para agradecer ao líder norte-coreano pela libertação dos presos. "Acho que isto será um grande êxito. Nunca se chegou tão longe (com a Coreia do Norte), nunca houve uma relação como esta", disse Trump, ao se referir à histórica reunião que terá com Kim Jong-un nos próximos dias.

"Eu realmente acredito que (Kim Jong-un) quer fazer algo e trazer seu país para o mundo real", completou o presidente, que não quis revelar o local e a data do encontro com o líder norte-coreano, embora algumas informações já apontam que será em Cingapura.

Veja mais:

Ao lado do presidente, o trio mostrou sua alegria sorrindo e levantando os braços. Um dos libertados, Kim Dong-chul, disse que estar nos EUA "é como um sonho", de acordo com a tradução da intérprete que os acompanhou na recepção.

Perguntado pelo tratamento recebido durante sua detenção, Kim Dong-chul afirmou que tinha realizado trabalho forçado, mas que também recebeu tratamento médico.

Após a recepção na base aérea, os libertados foram transferidos para o Centro Médico Militar Nacional Walter Reed, também perto de Washington, embora as autoridades americanas tenham dito que eles pareciam estar em "bom estado de saúde".

Dois dos libertados, o especialista agrícola Kim Hak-song e o ex-professor Tony Kim, foram presos em 2017, enquanto Kim Dong-chul, um empresário americano nascido na Coreia do Sul e pastor de cerca de 60 anos, havia sido condenado a 10 anos de trabalhos forçados em 2016.

A família de Tony Kim agradeceu a "todos os que trabalharam e contribuíram com seu retorno para casa", e especificamente a Trump, por "se envolver diretamente com a Coreia do Norte".

"Pedimos que continuem orando pelo povo norte-coreano e pela libertação de todos os que ainda estão detidos", assinalou em comunicado.

O avião em que os três estavam aterrissou na base área de Andrews, perto de Washington, minutos depois da descida da aeronave que trazia o secretário de Estado.

Os agora ex-prisioneiros deixaram Pyongyang na quarta, a bordo do avião de Pompeo. Após uma escala no Japão, o trio foi transferido para um avião militar medicalizado, no qual voaram até Washington.

A libertação dos últimos detidos norte-americanos na Coreia do Norte pareceu sinalizar um esforço de Kim para melhorar o tom da cúpula e seguir sua recente promessa de suspender os testes de mísseis e fechar um local de teste de bomba nuclear.

Pyongyang outorgou uma "anistia" a eles, disse um funcionário americano.

Segundo analistas, esta decisão dá uma necessária vitória diplomática para Trump e elimina o último grande obstáculo para uma histórica reunião entre dois inimigos da Guerra Fria.

Saul Loeb/AFP Photo
Donald Trump cumprimenta o agora ex-prisioneiro norte-americano Kim Dong-chul após seu retorno com os ex-detidos Kim Hak-song (à direita) e Tony Kim (à esquerda)
 

Zona desmilitarizada descartada como sede

A decisão da Coreia do Norte de libertar os três homens parece abrir caminho para o encontro entre Trump e Kim.

"Era absolutamente imperativo que a administração Trump garantisse a libertação dos três americanos antes de qualquer cúpula", declarou Jean Lee, analista do Wilson Center.

Após a libertação, Trump falou com seu homólogo sul-coreano, Moon Jae-in, dizendo que esperava que isso impactasse positivamente na reunião com Kim, segundo a Casa Azul, sede da Presidência sul-coreana.

Seul fez eco desse sentimento, de acordo com um comunicado citado pela agência de notícias Yonhap.

Trump assinalou que já decidiu a data, hora e o lugar da reunião com Kim, embora as autoridades americanas tenham indicado que faltam alguns ajustes.

Quando perguntado sobre a duração da cúpula, Pompeo não descartou a possibilidade de estendê-la além de um dia.

Jonathan Ernst/Reuters
Bandeira dos Estados Unidos posicionada antes da chegada dos três americanos libertados pela Coreia do Norte na Base Aérea de Andrews, próxima a Washington
Trump disse a jornalistas na Casa Branca que os detalhes serão revelados "nos próximos três dias", mas descartou que seja na Zona Desmilitarizada (DMZ, em inglês), que divide a península desde o fim da Guerra Coreia, em 1953.

Até agora, DMZ e Singapura haviam sido mencionados como possíveis sedes.

Desnuclearização e acordo de paz

O tão esperado encontro será para debater o programa de armas nucleares norte-coreano, que Trump exigiu a Kim que renunciasse de forma irreversível. Mas Kim deu poucos indícios de que esteja disposto a conceder, ou o que vai exigir em troca.

Pyongyang tem insistido que os Estados Unidos retirem seu apoio à Coreia do Sul, onde estão alocados mais de 30 mil militares americanos.

Em uma reunião em abril na DMZ, a terceira desde o fim da guerra entre os líderes do Norte e do Sul, Kim e Moon reafirmaram seu compromisso com o objetivo comum de uma "completa desnuclearização" da península.

Também concordaram em manter conversas com Washington e, possivelmente, com Pequim, para chegar a um acordo até o final do ano. A Guerra da Coreia, na qual a China apoiou o Norte e os Estados Unidos o Sul, terminou com um armistício, mas sem um tratado de paz.

Na terça-feira, Kim se reuniu com o presidente chinês, Xi Jinping, pela segunda vez em seis semanas.

Segundo a agência de notícias oficial da China, Kim disse a Xi que não há a necessidade de a Coreia do Norte ser um Estado nuclear, "sempre e quando as partes interessadas deixarem sem efeito suas políticas hostis e as ameaças à segurança" da Coreia do Norte.

O funcionário norte-coreano Kim Yong Chul, que se reuniu com Pompeo em Pyongyang, insistiu que a abertura do país às negociações "não foi o resultado das sanções impostas pelo exterior", mas uma mudança na abordagem do regime.

"Aperfeiçoamos nossa capacidade nuclear. É a nossa política concentrar todos os esforços no progresso econômico do país", disse. (Com informações da da Efe e da AFP)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos