PUBLICIDADE
Topo

Juiz ordena libertação imediata de brasileiro de 9 anos separado da mãe nos EUA

26.jun.2018 - Primeiro encontro entre Lidia Karine Souza, 27, e seu filho Diogo de Oliveira Filho, 9, após a separação na fronteira dos Estados Unidos e México - Luana Mazon via AP
26.jun.2018 - Primeiro encontro entre Lidia Karine Souza, 27, e seu filho Diogo de Oliveira Filho, 9, após a separação na fronteira dos Estados Unidos e México Imagem: Luana Mazon via AP

Do UOL, em São Paulo

28/06/2018 17h36

Um juiz federal de Chicago ordenou a libertação imediata de um menino brasileiro de 9 anos que foi separado de sua mãe na fronteira entre os EUA e o México.

O juiz Manish Shah disse nesta quinta-feira (28) que Lidia Karine Souza pode ter a custódia de seu filho, Diogo, que passou quatro semanas em um abrigo contratado pelo governo em Chicago.

Mãe e filho foram separados pouco depois de chegarem aos Estados Unidos, no dia 30 de maio, quando Souza foi presa e a criança levada para o abrigo. 

Veja também: 

A brasileira, que pediu asilo no país, foi libertada de um centro de detenção de imigrantes no Texas em 9 de junho, mas só conseguiu autorização para visitar o filho uma única vez. A visita foi realizada na última terça-feira (28).

Após a libertação, Souza mudou-se com parentes em Hyannis, no estado de Massachusetts.

Brasileira_EUA - AP Photo/Charles Rex Arbogast - AP Photo/Charles Rex Arbogast
27.jun.2018 - Lidia Karine Souza mostra fotos dela com o filho
Imagem: AP Photo/Charles Rex Arbogast

Mesmo com fim de política, famílias continuam separadas

Mais de 2.300 crianças que foram separadas dos pais ao chegar aos EUA por conta da política de "tolerância zero" na vigilância da fronteira feita adotada pelo governo Trump. Após muitas críticas, o presidente Donald Trump oficialmente pôs fim à política que entrou em vigor em maio. No entanto, as crianças ainda estão sendo mantidas nos abrigos. 

Um juiz do Estado norte-americano da Califórnia deu como prazo 30 dias para que as autoridades norte-americanas promovam a reunião das famílias.

De acordo com a decisão, se a criança for menor de cinco anos, ela deve retornar aos braços dos pais em até 14 dias, contando a partir desta terça-feira (26), data em que a ordem foi assinada pelo juiz distrital Dana Sabraw, em San Diego.