PUBLICIDADE
Topo

Ilha francesa tenta impedir na Justiça que McDonald's abra lanchonete no local

O prefeito de Dolus-d"Oléron, Grégory Gendre, quer barrar a chegada do McDonald"s - Divulgação
O prefeito de Dolus-d'Oléron, Grégory Gendre, quer barrar a chegada do McDonald's Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo

24/08/2018 16h32

Moradores e um prefeito da ilha de Oléron, na costa atlântica da França, tentam impedir que uma lanchonete da rede McDonald's se instale no local.

No total, apenas 22 mil pessoas moram na ilha. No entanto, no verão, a população chega a 300 mil por causa dos turistas que lotam o local em busca de sol e boas praias.

No mês que vem, uma batalha jurídica de quatro anos envolvendo o governo local e a rede de fast food vai chegar ao fim. Tudo começou quando o prefeito de Dolus-d’Oléron, um dos municípios localizados na ilha, se recusou a dar autorização para a instalação de um McDonald's na cidade.

O prefeito Grégory Gendre, um ex-ativista do Greenpeace, prometeu aos moradores uma cidade saudável, com comida produzida localmente, com redução nas emissões de carbono.

"Não é uma guerra, é senso comum. O McDonald's representa a maneira de fazer as coisas do passado. É a mineração de carvão da comida, totalmente desatualizado", disse o prefeito ao jornal inglês "The Guardian".

Gendre, que é filho de um médico local, afirmou que a ilha de Oléron seria o primeiro lugar a sofrer com o aumento do nível do mar causado pelo lixo plástico jogado no oceano.

"Se quisermos sobreviver com ilha, precisamos fazer as coisas de maneira diferente", disse.

Na Justiça, o principal argumento do prefeito foi o de que a lanchonete iria aumentar os problemas de trânsito e o número de acidentes. O terreno onde o McDonald's pretende se instalar é de propriedade de um ex-vice-prefeito, que lidera a oposição a Gendre.

Até agora, uma petição com 91 mil assinaturas apoia o prefeito. A Justiça já afirmou que o município não tem base legal para impedir o McDonald's de abrir uma lanchonete e determinou a concessão da autorização sob pena de multa. O prefeito recorreu e um veredito final deve sair em setembro.

Ao jornal britânico, um morador achou positiva a possível inauguração. "Você não pode impedir as pessoas de comerem onde quiserem. O McDonald's pode ser uma oportunidade econômica, criando empregos e trazendo dinamismo", disse Jean-Michel Arnaud, gerente de um boliche na cidade.

Enquanto a decisão não sai, quem sente vontade de comer um Big Mac tem de rodar cerca de 18 km, atravessar a ponte que separa a ilha do continente e ir à loja da cidade de Dolus. (Com agências internacionais)