PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Esse conteúdo é antigo

Irã ameaça atacar dentro dos EUA caso haja resposta por ataque de mísseis

A Casa Branca, em Washington; histórico dos EUA em conflitos externos tem trajetória por vezes relacionada com disputas eleitorais internas - Getty Images
A Casa Branca, em Washington; histórico dos EUA em conflitos externos tem trajetória por vezes relacionada com disputas eleitorais internas Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

07/01/2020 22h12

Resumo da notícia

  • Ao menos duas bases norte-americanas no Iraque foram atacadas na noite desta terça
  • O Irã prometeu atacar dentro dos EUA caso haja resposta
  • Não há informações sobre eventuais feridos ou mortos nos ataques
  • Ataques seriam uma resposta ao assassinato do general iraniano Suleimani pelos EUA, no dia 2 de janeiro
  • Donald Trump está analisando com seus secretários qual a melhor maneira de responder aos ataques

Em seu canal na rede social Telegram, a Guarda Revolucionária Iraniana disse que, caso haja resposta ao ataque feito hoje à noite a duas bases que abrigam tropas americanas no Iraque, irá revidar diretamente dentro dos Estados Unidos.

A mensagem afirma que "o Pentágono relata que os EUA responderão aos ataques do Irã" e que "desta vez a resposta será na América".

Ainda no Telegram, Guarda Revolucionária Iraniana afirmou também que, caso seu território seja bombardeado, terá como alvo as cidades de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, e Haifa, em Israel, na terceira onda de operações.

Em nota oficial, a Administração Federal de Aviação (FFA) declarou que está restringindo aeronaves não militares (civis) dos EUA "de operar no espaço aéreo sobre o Iraque, Irã e as águas do Golfo Pérsico e do Golfo de Omã".

O jornal Fars News, do Irã, divulgou hoje, após os ataques, um vídeo sem data em que o aiatolá Seyyed Ali Khamenei afirma para uma multidão que os EUA até podem atacar o Irã, mas que o resultado será muito pior para os próprios americanos.

Uma fonte declarou para a CNN que a segurança em volta da Casa Branca foi reforçada após as tensões recentes com o Irã. Segundo o site, o Secretário de Estado, Mike Pompeo, o Secretário de Defesa, Mark Esper, e o vice-presidente, Mike Pence, já se retiraram da Casa Branca.

Um funcionário do Serviço Secreto dos EUA se recusou a comentar ao site, transmitindo um comunicado divulgado pela agência, dizendo que "avalia continuamente o ambiente de ameaças que envolve todos os protegidos".

Duas bases aéreas que abrigam tropas dos Estados Unidos e da coalizão no Iraque foram atingidas por mísseis, na noite de hoje. Ainda não se sabe se houve vítimas. O Pentágono confirmou os ataques, e o Irã assumiu a autoria a ao menos uma das bases.

A TV estatal iraniana disse que a Guarda Revolucionária Islâmica do país lançou "dezenas" de mísseis, como resposta à morte do general iraniano Qassim Soleimani, na última quinta-feira, após um ataque americano. O nome da operação de hoje, inclusive, foi "Mártir Soleimani", segundo a emissora.

De acordo com os Estados Unidos, teriam sido 12 mísseis. Uma das bases atingidas foi Ain al-Asad, em Anbar. A outra se localiza em Erbil, na região semiautônoma do Curdistão.

Internacional