PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
3 meses

Biden anuncia envio de ajuda 'imediata' ao Haiti após terremoto

Pessoas do lado de uma casa destruída após um terremoto de magnitude 7,2 em Les Cayes, Haiti - Ralph Tedy/Reuters
Pessoas do lado de uma casa destruída após um terremoto de magnitude 7,2 em Les Cayes, Haiti Imagem: Ralph Tedy/Reuters

Do UOL, em São Paulo*

14/08/2021 21h21

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou hoje o envio de ajuda "imediata" ao Haiti depois que um terremoto vitimou mais de 300 pessoas. A diplomata americana Samantha Power é quem vai liderar os esforços.

"Autorizei uma resposta imediata dos Estados Unidos e nomeei a Administradora da USAID, Samantha Power, como a autoridade sênior dos Estados Unidos para coordenar esse esforço", comunicou o presidente em comunicado.

Por meio da USAID, estamos apoiando os esforços para avaliar os danos e ajudar nos esforços para recuperar aqueles que foram feridos e aqueles que agora precisam reconstruir. Os Estados Unidos continuam sendo um amigo íntimo e duradouro do povo do Haiti e estaremos lá após essa tragédia."
Joe Biden

A vice-presidente do país, Kamala Harris, também se manifestou, dizendo que o país está "se movendo rapidamente para avaliar o dano e apoiar a recuperação".

"Oramos pelas vítimas e pelos seus entes queridos", publicou ela no Twitter.

Além dos Estados Unidos, outros países do continente americano comunicaram o envio de ajuda humanitária, entre eles: México, Chile, Panamá, República Dominicana e Colômbia.

Um terremoto de magnitude 7,2 atingiu o Haiti na manhã de hoje deixando ao menos 304 mortes e mais de 1.800 feridos, segundo informou as autoridades locais.

O tremor ocorreu por volta das 8h30 (9h30 no horário de Brasília), a 12 km da cidade de São Luís do Sul, localizada a 160 km da capital haitiana, Porto Príncipe, segundo dados do Instituto Geológico dos Estados Unidos (USGS). O máximo da escala Richter, utilizada para medição da intensidade de terremotos, é nove.

O primeiro-ministro do país, Ariel Henry, declarou estado de emergência durante uma entrevista coletiva. "Quando se trata de necessidades médicas, esta é a nossa maior urgência. Começamos a enviar medicamentos e pessoal médico para as instalações afetadas", disse.

Terremoto de 2010

Muitos haitianos ainda têm na lembrança o terremoto de 12 de janeiro de 2010, que devastou a capital e várias cidades do interior. Mais de 200 mil pessoas morreram e mais de 300 mil ficaram feridas no desastre.

Mais de um milhão e meio de haitianos ficaram desabrigados, colocando as autoridades e a comunidade humanitária internacional diante do desafio colossal da reconstrução de um país sem registro de terras ou normas para uma construção segura.

Sem conseguir enfrentar este desafio de reconstrução, o Haiti vive atualmente uma crise política, humanitária e de segurança.

O governo está em crise, um mês depois do assassinato do presidente Jovenel Moise, partes do país sofrem com a fome e os serviços de saúde estão sobrecarregados pela covid-19. Acesso à região sudoeste, onde o terremoto foi mais sentido, tem sido limitado por gangues que controlam áreas chaves.

*Com informações das agências AFP, Reuters e RFI.

Internacional