PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Cerimônia de formatura é estragada por mangueira 'descontrolada'; assista

Do UOL, em São Paulo

07/12/2021 23h05Atualizada em 08/12/2021 09h58

Estudantes comemoravam a formatura quando foram "atacados" por uma mangueira de ar fora do controle, que os obrigou a fugir do palco. Esse foi o final inesperado de uma cerimônia semipresencial em Lima, no Peru.

Seis alunos representavam a turma de formandos na festa da Cibertec, instituto que oferece cursos técnicos e superiores em gestão, comunicação e tecnologia da informação, quando o equipamento que deveria jogar os confetes sobre eles teve um defeito, soltando o ar comprimido sobre os presentes.

O incidente foi registrado pelas câmeras da instituição de ensino, que transmitiam o evento ao vivo nas redes sociais, com vários dos estudantes participando de maneira virtual, por um telão instalado atrás dos presentes.

No momento em que os capelos foram jogados para cima, ao som do clássico "We Are The Champions", da banda Queen, houve uma falha nos extintores improvisados pela organização para o efeito cênico, com as mangueiras se soltando e criando o cenário de "pegadinha" já ao fim da cerimônia.

Tentando evitar o ar comprimido, todos os presentes no palco passaram a correr. Uma das estudantes acaba caindo no chão ao tentar fugir do local e é socorrida por um dos membros da organização

O vídeo foi gravado no último domingo (5). Apesar do susto, ninguém ficou ferido e as cenas inusitadas se tornaram um sucesso nas redes sociais, com mais de 200 mil visualizações.

Em nota à imprensa peruana, a Cibertec informou que houve um problema com o propulsor de ar comprimido que soltou os confetes ao final da cerimônia. A mangueira do equipamento se desprendeu e o ar comprimido começou a ser atirado em direção aos convidados.

"Felizmente, essa substância não é inflamável ou tóxica e nossa equipe de segurança solucionou de maneira rápida o percalço, sem nenhum dano. Realizamos as avaliações necessárias para evitar que contratempos do tipo voltem a acontecer", concluiu o instituto.

Internacional