PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Alemanha registra maior número de mortes diárias por covid desde fevereiro

7.dez.2021 - Mulher faz teste PCR de covid-19 em uma estação em Ludwigsburg, na Alemanha - Thomas Kienzle/AFP
7.dez.2021 - Mulher faz teste PCR de covid-19 em uma estação em Ludwigsburg, na Alemanha Imagem: Thomas Kienzle/AFP

Do UOL, em São Paulo

08/12/2021 10h56Atualizada em 10/12/2021 12h35

A Alemanha registrou hoje o maior número de mortes diárias por covid-19 desde fevereiro. O país luta para deter uma quarta onda da pandemia em meio ao surgimento da variante ômicron do novo coronavírus.

Foram contabilizados 527 óbitos, elevando o total a 104.047, segundo o Instituto de Doenças Infecciosas Robert Koch. Um total de 69.601 novas infecções pelo coronavírus foram registradas, 2.415 a mais do que o mesmo período da semana passada. Apesar do surgimento da variante ômicron, a Alemanha ainda sofre com mortes causadas pela variante delta.

No momento, apenas 69,1% da população está totalmente vacinada.

Na semana passada, o país concordou em permitir o acesso das pessoas não vacinadas apenas a negócios essenciais, como mercados, farmácias e padarias, e a acelerar a campanha de vacinação.

Novo chanceler eleito

Dois meses e meio após as eleições na Alemanha, o social-democrata Olaf Scholz assume hoje o cargo de chanceler. O novo governo alemão assume em um momento extremamente delicado, com a quarta onda da pandemia pressionando o sistema de saúde de diversos estados do país e com seguidos recordes de novas infecções.

O deputado e epidemiologista Karl Lauterbach, que ganhou notoriedade ao defender em diversas entrevistas a vacinação obrigatória e imposição de lockdown contra o novo coronavírus, foi nomeado ministro da Saúde.

O novo chanceler também já se mostrou favorável à imunização compulsória, e deve trabalhar pela imposição de exigência para trabalhadores da área da saúde e funcionários de lares de idosos, que terão até março para estarem totalmente imunizados. A pandemia "vai exigir toda a nossa força e energia", afirmou.

* Com Reuters

Internacional