PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
6 meses

Rússia anuncia fim das manobras militares na Crimeia e retirada de tropas

Vídeo divulgado pelo Ministério da Defesa da Rússia mostra a torre de armas de um navio russo durante os exercícios navais do Mar Negro fora do porto da Crimeia de Sebastopol - Russian Defence Ministry / AFP
Vídeo divulgado pelo Ministério da Defesa da Rússia mostra a torre de armas de um navio russo durante os exercícios navais do Mar Negro fora do porto da Crimeia de Sebastopol Imagem: Russian Defence Ministry / AFP

Do UOL, em São Paulo*

16/02/2022 07h17Atualizada em 16/02/2022 07h24

A Rússia anunciou nesta quarta-feira (16) o fim das manobras militares e a retirada de parte de suas tropas da península ucraniana anexada da Crimeia, onde a presença de soldados alimentou os temores de uma invasão da Ucrânia.

"As unidades do distrito militar do sul finalizaram os exercícios táticos nas bases da península da Crimeia, retornando a suas bases permanentes", afirmou o ministério russo da Defesa em um comunicado, citado pelas agências notícias locais.

O comunicado informa que tanques, veículos de infantaria e artilharia deixarão a Crimeia de trem.

Canais de televisão russos exibiram imagens noturnas de um trem blindado que atravessava a ponte sobre o estreio de Kertsch, construída pela Rússia para ligar a Crimeia a seu território.

Ontem, Moscou anunciou uma retirada "parcial" dos soldados enviados há duas semanas à fronteira com a Ucrânia, um sinal de distensão após dois meses de temores sobre uma invasão, em um contexto de crise entre a Rússia e os países ocidentais.

Os Estados Unidos e as potências europeias, no entanto, ainda aguardam provas de uma retirada militar mais expressiva da Rússia, embora expressem um otimismo prudente. Moscou não divulgou a dimensão nem o calendário da retirada.

A Rússia mobilizou mais de 100 mil militares na fronteira ucraniana, segundo os países ocidentais. Ao mesmo tempo, as manobras militares dos exércitos russo e bielorrusso prosseguem até 20 de fevereiro em Belarus, outro vizinho da Ucrânia.

*Com AFP

Internacional