PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Piloto de avião russo é demitido após sex tape em pleno voo

Instrutor e aluna estavam a bordo de Cessna quando gravaram imagens sensuais - Reprodução/Twitter
Instrutor e aluna estavam a bordo de Cessna quando gravaram imagens sensuais Imagem: Reprodução/Twitter

Do UOL, em São Paulo

25/05/2022 11h56Atualizada em 25/05/2022 15h31

Um piloto de uma escola de aviação foi demitido após fazer uma sex tape com uma aluna dentro do cockpit. O homem, instrutor da Escola de Aviação Civil de Sasovo, na Rússia, teria colocado a aeronave no piloto automático para conseguir filmar a relação sexual em pleno voo.

Segundo informações do site local Gazeta, o piloto, de 28 anos, é casado e teria convencido a aluna, de 21, a gravar os vídeos íntimos em troca de aulas extras de aviação. Os dois estavam a bordo de um Cessna 172, sobrevoando a região de Ryazan, quando filmaram as cenas eróticas.

A escola de aviação expulsou o instrutor e a aluna depois que outros funcionários reconheceram os dois nas imagens, publicadas online por um colega da jovem. A mídia local afirmou que em um primeiro momento ela teria recusado manter as relações sexuais, mas foi convencida pela oferta de horas de voo gratuitas.

Ao relatar a situação aos responsáveis pela escola, ela teria alegado que os dois apenas trocaram beijos e abraços, sem outros contatos íntimos, e que as carícias aconteceram apenas uma vez.

O escândalo teria vindo à tona depois que a estudante teve um desentendimento com um colega, que decidiu postar as imagens como forma de vingança, afirmou o Gazeta. A escola tomou providências contra a dupla apenas um mês depois, quando o vídeo viralizou.

Funcionários não identificados foram consultados sobre a identidade do professor e da aluna e confirmaram ao site russo que as pessoas envolvidas eram seus colegas.

Algumas fontes ouvidas pelo veículo afirmaram também que a mulher já teria pedido demissão antes mesmo de ser interrogada sobre o acontecido, ao ouvir que as imagens tinham sido publicadas em uma plataforma pública.

Internacional