Missionários evangélicos encontram terreno fértil em cidades destruídas pela guerra na Ucrânia

Andrew E. Kramer

Em Maryinka (Ucrânia)

  • Brendan Hoffman/The New York Times

    Voluntários do Centro de Ajuda Cristã da Igreja da Transfiguração em Maryinka distribuem pão para os moradores da cidade da Ucrânia

    Voluntários do Centro de Ajuda Cristã da Igreja da Transfiguração em Maryinka distribuem pão para os moradores da cidade da Ucrânia

Em uma recente manhã gelada, um grupo de missionários evangélicos se aboletou numa perua Kombi para se encontrar com pessoas idosas e pobres que estavam reunidas ao lado de uma estrada. Eles distribuíram pães e Bíblias, declarando: "Jesus quer a paz!"

À distância, a luta que se podia escutar ao longo da frente durante a manhã ganhou intensidade. O pastor Yevgeny Medvedev levantou as mãos e disse: "Vamos orar!"

Quando ele terminou o Pai Nosso, fortes explosões ecoavam pela cidade. "Livrai-nos do mal", disse ele, terminando com um "amém" no momento em que um morteiro explodia à distância.

Maryinka, uma cidade ucraniana de blocos baixos de apartamentos e casas térreas próxima à capital rebelde, Donetsk, tornou-se um ponto quente não apenas para lutar, mas também para salvar almas.

Enquanto as forças ucranianas e os separatistas apoiados pela Rússia continuam sua luta quase esquecida em cidades semidesertas como esta, apesar do cessar-fogo de um ano, vários grupos evangélicos bem organizados travam uma campanha própria. Com base em seus relatos e nas evidências vistas no local, seus esforços estão encontrando terreno fértil.

Maryinka fica no que os ucranianos chamam de "zona cinzenta", entre ou próxima de posições das tropas do governo e de rebeldes apoiados pela Rússia. Enquanto virtualmente todos no leste da Ucrânia sofreram nos quase dois anos de guerra, os moradores destas áreas suportaram ainda mais dificuldades.

Cerca de 6 mil civis, incluindo 350 crianças, continuam em Maryinka, aproximadamente a metade da população de antes da guerra. Duas escolas continuam funcionando, mas os jardins de infância, não muito procurados em um lugar onde ninguém trabalha, fecharam.

Em certos locais, é uma cidade de casas bombardeadas e quintais descuidados, onde as pessoas correm pelas ruas expostas aos rifles de alta potência dos separatistas nos arredores.

Como muitas cidades na linha de contato entre os rebeldes apoiados pelos russos e as forças ucranianas, Maryinka não tem gás natural ou água quente, porque é perigoso demais para os funcionários municipais consertarem os buracos feitos pelas bombas no encanamento.

Os moradores desses lugares seguem uma rotina tristonha de carregar lenha, esperar em filas pela distribuição de pão e mercadorias e dormir em porões.

Os soldados ucranianos, acampados em tendas na borda da cidade, não estão em situação muito melhor. Em suas trincheiras, troncos cortados às pressas e misturados com terra formam os tetos, e caixotes descartados mantêm as botas afastadas do chão lamacento. As roupas secam penduradas de pregos nas paredes.

Brendan Hoffman/The New York Times
Sergei Kosyak celebra culto no Centro de Ajuda Cristã da Igreja da Transfiguração em Maryinka

Há lutas esporádicas durante o dia, quando monitores da Organização para Segurança e Cooperação na Europa vagam em veículos blindados brancos. Só depois que eles partem, às 18h, começa o fogo pesado de morteiros, disse o tenente-coronel Mikhailo Prokopiv, o comandante ucraniano da cidade.

"Talvez sua liderança os impeça de trabalhar à noite", disse ele. "De todo modo, às 18h30 começa o tiroteio."

Bombas de morteiro habitualmente passam por cima das posições dos combatentes e caem na cidade, criando um eterno pesadelo para os moradores.

Natasha Ivanenko, uma das que recebeu pão fresco dos missionários, disse que as explosões frequentemente assustam seu filho de 2 anos, Sergei.

"Meu filho sente medo", disse ela. "Ele diz: 'Mama, bum!', e eu digo: 'Sim, Seryozha, bum, bum'."

Os missionários evangélicos começaram a aparecer semanas depois que o Exército ucraniano repeliu um grande ataque rebelde no último verão.

Algumas denominações protestantes têm raízes profundas na Ucrânia, enquanto outras se disseminaram depois da ruptura da União Soviética, competindo no leste do país com a ala russa da Igreja Ortodoxa.

Mas a velocidade da expansão evangélica na zona de conflito é nova, como sua abordagem de misturar ajuda humanitária com proselitismo.

"Quando Jesus estava na Terra, ele alimentou as pessoas e elas o seguiram por isso também", disse a missionária Lyubov Shpikhernyuk. Encontrar a religião sempre foi mais fácil durante uma guerra, disse ela, porque "quando surge o medo as pessoas se abrem para Deus".

Os missionários estabeleceram pontos de distribuição de ajuda combinados e igrejas em dez cidades no lado ucraniano da fronteira, segundo Sergei Kosyak, líder do local em Maryinka, chamado Centro de Ajuda Cristã da Igreja da Transfiguração.

Brendan Hoffman/The New York Times
Crianças seguram pães distribuídos pelos missionários em Maryinka

Kosyak calcula que ao longo de um ano esses lugares atraíram 600 pessoas para serviços religiosos regulares, algumas das quais foram batizadas.

As igrejas evangélicas nos EUA financiam parte da ajuda aos missionários, que são todos da Ucrânia ou de outras ex-repúblicas soviéticas de língua russa.

Uma igreja na cidade de Slovyansk, ao norte daqui, a Igreja da Boa Nova, abriu uma escola especificamente para ensinar o trabalho de missionários nesta área de conflito. Até agora, cerca de 75 pessoas terminaram o curso de um mês e se mobilizaram na frente de quase 500 quilômetros.

É uma espécie de virada de mesa espiritual. Quando os rebeldes pró-Rússia dominaram Slovyansk, eles prenderam e expulsaram os evangélicos. Então a cidade mudou de mãos e os missionários voltaram.

Começando com dois seguidores em julho, quando ele abriu o lugar, Kosyak formou uma congregação de 70 pessoas, com uma padaria, um coral e vários serviços oferecidos, como entrega de lenha.

Esse número rivaliza com a frequência aos serviços dominicais na Igreja Ortodoxa da Virgem Kazan em Maryinka.

Em uma entrevista, o sacerdote ortodoxo, reverendo Sergi Geiko, disse que reprova a captação de fiéis por meio de recompensas materiais, como mercadorias ou pão. Os doadores estrangeiros que ajudam os evangélicos, disse ele, estão invadindo território ortodoxo.

"Esta não é uma guerra política, mas espiritual", disse ele. "Isto é uma cruzada. O Ocidente os está ajudando."

Kosyak não se desculpa. "Ele acha que somos concorrentes e que a população de Maryinka são sua propriedade", disse sobre Geiko.

Na oração à beira da estrada, enquanto explosões ecoavam na extremidade da cidade, o pastor Medvedev se esforçava para falar de união em uma cidade com muito conflito.

"O ódio divide, o amor une", disse ele. "Usem esta oportunidade, chamem seu nome, tragam-no para a sua vida. Quando ele vier, como o pão, não haverá fome. Eu quero que vocês pensem nisso, meus queridos, não queremos pessoas perdidas para Deus."

Tradutor: Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos