PUBLICIDADE
Topo

Como o Harvey se compara ao Katrina?

Shaila Dewan e John Schwartz

29/08/2017 07h48

Um furacão no final de agosto ameaçando a Costa do Golfo. Moradores resgatados de telhados. Um centro de convenções transformado em abrigo de emergência. Um teste para a presidência.

Apesar de ainda em desdobramento, o Harvey, agora uma tempestade tropical, provoca comparações ao furacão Katrina de 2005. Aqui está um resumo rápido do que sabemos sobre as semelhanças e diferenças entre os dois.

As cidades

Katrina: Antes da tempestade, Nova Orleans, com sua distinta mistura cultural creole-acadiana-francesa-haitiana-vietnamita, era uma cidade pequena de cerca de 455 mil habitantes situada em grande parte abaixo do nível do mar, protegida por um sistema de diques. Sua população nunca se recuperou plenamente da evacuação e destruição, permanecendo abaixo de 400 mil.

Harvey: Houston é uma ampla cidade diversa, dependente de carros, de baixa altitude, porém não abaixo do nível do mar. Ela tem uma população de mais de 2 milhões, com um sistema de áreas alagadiças e canais que administram enchentes.

As tempestades

Katrina: Ela chegou ao país perto da divisa dos Estados da Louisiana e Mississippi, em 29 de agosto de 2005, como uma tempestade categoria 3 medindo mais de 360 km. Mas a classificação relativamente baixa, baseada na velocidade dos ventos, era enganadora, porque o Katrina provocou a maior elevação do mar já registrada nos Estados Unidos.

Harvey: Ele chegou ao país em Rockport, Texas, na sexta-feira, como uma tempestade categoria 4, medindo 320 km, mas rapidamente perdeu força. Na segunda-feira, a expectativa era de que duraria dias, fazendo com que o Serviço Meteorológico Nacional alertasse que "Este evento é sem precedente e todos os impactos são desconhecidos".

Mortes e danos

Katrina: Um dos furacões mais mortais que já atingiram os Estados Unidos, o Katrina foi responsável por 1.833 mortes e alguns corpos permaneceram intocados por dias. A tempestade causou mais de US$ 100 bilhões em danos, grande parte deles causado pelos ventos, elevação do mar e pelo falha dos diques de contenção. O Katrina também deixou 3 milhões de pessoas por toda a região sem energia elétrica.

Harvey: As autoridades locais relataram pelo menos 10 mortes no Texas desde o início da tempestade, mas as chuvas pesadas e inundações deverão continuar pelo menos até sexta-feira. Grande parte dos danos foi causada pela inundação.

Quanto à economia, a capacidade da região do Golfo como centro de petróleo e gás (Houston foi responsável por 2,9% do produto interno bruto do país em 2015) não parece ter sido seriamente comprometida, e economistas previram que o custo da tempestade será menos da metade do custo do Katrina. Até o momento no Texas, há 300 mil pessoas sem energia elétrica.

Chuvas

Katrina: A chuva não foi o maior problema com o Katrina, que produziu 127 a 254 milímetros de chuva em um período de 48 horas.

Harvey: Em comparação, o Harvey provocou um dilúvio, com até 1.270 milímetros de chuva previstos ao longo dos próximos dias, mais que o total que Houston recebe em um ano.

Evacuação

Katrina: A evacuação obrigatória de Nova Orleans foi anunciada um dia antes da chegada da tempestade. Estimadas 100 mil pessoas permaneceram retidas na cidade. Poucas semanas depois, em outra evacuação caótica, mais de 100 pessoas morreram ao deixarem a área de Houston para escapar do furacão Rita.

Harvey: Houston não pediu aos moradores que evacuassem e agora está pedindo aos que podem para que se abriguem no local. Mas com a continuidade da chuva na segunda-feira, um crescente número de outras jurisdições, como Bay City, que espera 3 metros de água no centro, pediram aos moradores para que partissem.

Assistência

Katrina: A tempestade deslocou mais de 1 milhão de pessoas e danificou ou destruiu 275 mil lares. Quase 1 milhão de lares receberam assistência individual da Agência Federal de Gestão de Emergências (Fema, na sigla em inglês).

Harvey: Ainda não sabemos quantas pessoas serão obrigadas a deixar seus lares. Mas a grande maioria dos lares no caminho do Harvey não é segurada contra enchentes, segundo números do Programa Nacional de Seguro Contra Enchentes. Autoridades da Fema estimaram que 450 mil pessoas provavelmente buscarão ajuda federal.

As impressões até agora

Katrina: Caos na evacuação e pânico em grande parte infundado com distúrbios e violência tornaram questões de raça, pobreza e falhas do governo impossíveis de ignorar. O rompimento dos diques aumentou esses problemas e representou uma falha de engenharia de proporções graves.

Harvey: O Harvey provavelmente intensificará o debate em andamento sobre se Houston, uma cidade movida por interesses imobiliários,construiu em excesso em detrimento do controle de enchentes. Apesar do Katrina também ter exibido um fracasso em construções, o Harvey, dependendo de como se desenrolar, pode vir a representar um alerta a respeito da mudança climática.

Tradutor: George El Khouri Andolfato