PUBLICIDADE
Topo

Flexibilização não elevou níveis de poluição na Europa, diz estudo

13/06/2020 05h57

Madri, 12 jun (EFE).- A flexibilização das restrições e medidas de confinamento impostas durante a crise de saúde causada pela pandemia do novo coronavírus não levou a um aumento claro dos níveis de substâncias poluentes na Europa, de acordo com um estudo do Serviço de Monitoramento Atmosférico Copernicus (Cams), serviço vinculado ao Centro Europeu de Previsiões Meteorológicas a Médio Prazo (ECMWF na sigla em inglês).

Em comunicado, o Cams explicou que a situação no continente não evidencia um retorno às condições de contaminação pré-pandemia, enquanto em alguns países como a China as atividades e emissões já voltaram em grande parte aos patamares anteriores à crise da Covid-19.

Mark Parrington, cientista sênior do Cams, disse que, entre janeiro e abril, foi observado "um declínio nos volumes de substâncias poluentes, como o dióxido de nitrogênio (NO2) e, em menor escala, partículas PM2,5 e PM10 em muitas regiões europeias, enquanto medidas rigorosas de confinamento devido à Covid-19 estavam entrando em vigor".

"Esperamos ver um aumento (das substâncias poluentes) à medida em que as medidas de confinamento sejam suspensas, mas esse desenvolvimento ainda não se refletiu em nossos dados", ressaltou.

Segundo Parrington, "há variações significativas nas concentrações superficiais de poluentes devido a fatores como as condições climáticas, e continua sendo difícil detectar mudanças nessas concentrações".

Ele ressaltou que "fontes naturais de substâncias poluentes não foram afetadas pelas medidas de contenção, e a Itália e o sudeste europeu viram episódios de aumento da poluição do ar devido às nuvens de poeira vindas do Saara em maio".

Para Vincent-Henri Peuch, diretor do Cams, "há diferenças na forma como os confinamentos e o relaxamento dessas medidas se manifestam em diferentes partes do mundo", e, na Europa, "o relaxamento das medidas de confinamento é feito de forma prudente e progressiva, o que implica a continuidade da redução de viagens e transportes relacionados a negócios, por exemplo".

"Isso é muito importante, pois alguns dos benefícios para a saúde observados durante o período de confinamento derivados da melhora da poluição atmosférica podem ser mantidos permanentemente", disse.

Algumas metas de redução de emissões poluentes, que podem ter parecido ambiciosas demais ou mesmo contraproducentes no passado, podem agora ser abordadas com confiança e respaldadas por evidências, informou o Cams.

"Com esforços combinados, como os propostos na iniciativa do Pacto Verde Europeu, podemos impulsionar a mudança", acrescentou a entidade.

O Serviço de Monitoramento Atmosférico Copernicus fornece informações sobre a qualidade do ar através de mapas, séries temporais e animações sobre NO2 e partículas finas (PM2,5) para 50 cidades europeias, assim como parâmetros de PM10 e ozônio.

O CAMS atualiza diariamente os mapas regionais e possui uma ferramenta de exibição de cenários de emissão para avaliar o efeito esperado das mudanças estimadas pelas medidas de contenção na qualidade do ar na Europa.

Meio Ambiente