Exclusivo para assinantes UOL

Temos esperança em um acordo entre Governo e Igreja, diz Berta Soler, dirigente das Damas de Branco em Cuba

Mauricio Vicent

Em Havana (Cuba)

  • AFP

    As Damas de Branco, organização formada por mães e esposas de dissidentes, voltaram às ruas de Havana nesta quinta-feira, no sétimo aniversário da prisão de seus 75 familiares

    As Damas de Branco, organização formada por mães e esposas de dissidentes, voltaram às ruas de Havana nesta quinta-feira, no sétimo aniversário da prisão de seus 75 familiares

Leia mais sobre Cuba: Cresce a colaboração entre Cuba e Venezuela Berta Soler é uma das mulheres mais ativas do movimento das Damas de Branco. é esposa de ángel Moya, membro do Grupo dos 75, condenado a 20 anos de prisão na primavera de 2003. Desde então, todo domingo ela desfila pacificamente e vestida de branco pela Quinta Avenida de Havana, pedindo a libertação de seu marido e dos demais opositores encarcerados. No sábado visitou, junto com algumas de suas companheiras, o cardeal Jaime Ortega, que lhes informou sobre o andamento das gestões da Igreja. Pela primeira vez em muito tempo ela vê um raio de luz no horizonte.

UOL Cursos Online

Todos os cursos