Exclusivo para assinantes UOL

Batalha contra mercenários russos foi uma das mais sangrentas que EUA enfrentaram na Síria

Thomas Gibbons Neff

Em Washington (EUA)

A barragem de artilharia foi tão intensa que os comandos americanos mergulharam em trincheiras para se proteger, saindo dali cobertos de terra e detritos para responder fogo contra uma coluna de tanques avançando sob ataque pesado de morteiros. Era a salva de uma batalha que durou quase quatro horas, em fevereiro, por 500 forças pró-governo sírio, incluindo mercenários russos, que ameaçava inflamar as tensões já elevadas entre Washington e Moscou.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos