PUBLICIDADE
Topo

Cidadãos e empresas devem ajudar poder público a manter áreas verdes urbanas

Antonio Marques Guedes

Internauta do UOL

23/03/2014 06h00

“O coração do homem, quando longe da natureza, endurece” (povo indígena Lakota)

Sempre ouvi falar que as metrópoles trazem oportunidades de crescimento para as pessoas. Esse fato é inegável, mas ao mesmo tempo não é difícil perceber que as grandes cidades impõem dificuldades para quem vive nelas. Seja devido ao denso aglomerado humano ou pelo onipresente e opressivo concreto de suas edificações, entre tantos outros fatores, os centros urbanos nos aparecem continuamente com um inevitável aspecto de aridez.

Como sempre tive o hábito de andar pelas áreas verdes (parques, praças, unidades de conservação) de São Paulo, atraído pela natureza que as constitui, fui observando, para minha grata surpresa, que existem muitas opções na cidade para quem deseja entrar em contato com importantes elementos para a constituição de uma vida mais saudável.

Parques públicos

Em 2013 a cidade de São Paulo tinha 96 parques municipais (eram 34 em 2005) e 16 estaduais, que em boa parte estão adequadamente cuidados

Ícones vivos da cidade, os parques urbanos oferecem opções diversificadas de lazer, como a contemplação da natureza, cultura, arte e entretenimento.

É de conhecimento comprovado que as áreas arborizadas controlam a poluição atmosférica e o microclima, além de oferecer conforto ambiental. A saúde física e mental das pessoas ganha benefícios atestados por estudos científicos em meio a esses ambientes. A simples contemplação nas áreas verdes possibilita uma estética única e permite que se vivencie a harmonia e o bem-estar oferecidos pela natureza.

Em contraponto ao ambiente construído com cimento, concreto, ferro e demais materiais pesados, as áreas verdes tornam-se também uma alternativa ao consumismo. A quantidade e o estado de conservação das áreas verdes de uma cidade ajudam no desenvolvimento humano e social.

Em 2013 a cidade de São Paulo tinha, espalhados por todas as regiões da cidade, 96 parques municipais (eram 34 em 2005) e 16 estaduais, que em boa parte estão adequadamente cuidados. Além dos benefícios citados, são importantes empregadores de mão-de-obra de trabalhadores diversos, como vigias, seguranças, jardineiros, auxiliares de limpeza, paisagistas e biólogos, entre outros.

Percorrer essas áreas verdes é uma ótima oportunidade para descobrir toda uma diversidade de vegetação que se encarrega de atrair, proteger e alimentar animais e aves. As áreas verdes urbanas são espaços privilegiados que amenizam a aridez da cidade e oferecem a oportunidade para o exercício da convivência solidária entre pessoas e natureza, além de favorecer o estreitamento de vínculos e relações de amizades.

Para auxiliar os moradores de São Paulo nesse descobrimento existe o site Áreas Verdes das Cidades, que fornece informações como atrações, fauna, flora e localização dessas áreas na cidade por meio de textos, fotos, vídeos e mapas feitos para cada um dos mais de 80 parques catalogados.

É importante ressaltar que a manutenção desses espaços não deve ser unicamente do poder público. As empresas também podem adotá-los e nós, cidadãos, podemos cuidar deles ao não jogar lixo, não danificar equipamentos, jardins e árvores, além de respeitar a fauna e a flora presentes.

  • O texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL
  • Para enviar seu artigo, escreva para uolopiniao@uol.com.br