PUBLICIDADE
Topo

Avaliar qualidade de escola apenas pelo Enem é perigoso e ingênuo

Fábio Aviles Gouveia

Fábio Aviles Gouveia

39 anos, é licenciado em química, com especialização em coordenação pedagógica e avaliação educacional, coordenador pedagógico do Colégio Guilherme de Almeida, em Guarulhos, e consultor do Sistema Anglo de Ensino

Especial para o UOL

14/11/2014 06h00

A publicação das notas do Exame Nacional do Ensino Médio normalmente provoca uma grande corrida ao ranking das escolas, e várias destas acabam festejando sua posição nesse ranking. Embora seja uma possível indicação de qualidade da escola, o Enem não é uma prova organizada com essa intenção. É uma prova que avalia alunos, e não sistemas ou instituições de ensino.

Por isso, seu uso é limitado. Avaliar a qualidade de uma escola apenas com a nota do Enem é algo muito perigoso – e até ingênuo. Então, como podemos utilizar a nota? Como uma referência inicial, motivando a conhecer e saber mais sobre a instituição.

O Enem não consegue captar o tipo de escola, o tipo de aluno, o processo pedagógico que está por trás do desenvolvimento dos estudantes, como são tratados aqueles com dificuldade no aprendizado, como é o acesso aos professores e gestores etc.. Isso somente uma visita ou uma conversa com alunos, pais e professores é que poderá trazer.

Mas a nota pode oferecer mais informações. Para isso, pode-se acompanhar a evolução das notas da escola ao longo dos anos. Esses dados podem ser encontrados facilmente no site www.qedu.org.br. Uma escola que tem aumentado suas notas reflete uma instituição preocupada com sua qualidade e trabalhando bem com os alunos, de modo a ampliar seus conhecimentos. 

Opinião - Fábio Aviles Gouveia

  • O Enem não consegue captar o tipo de escola, o tipo de aluno, o processo pedagógico que está por trás do desenvolvimento dos estudantes, como são tratados aqueles com dificuldade no aprendizado

    Fábio Aviles Gouveia, coordenador pedagógico do Colégio Guilherme de Almeida, em Guarulhos, e consultor do Sistema Anglo de Ensino, sobre a avaliação de escolas com base na nota do Enem

A escola que mantém suas notas indica uma instituição que busca, no mínimo, manter seus resultados. E isso já é um bom sinal. Já uma escola cujas notas têm caído ano a ano sinalizam alguns problemas de ordem pedagógica e nada melhor do que a equipe gestora para explicar o que está acontecendo.

Aqui vale uma ressalva importante: as notas do Enem são dadas por área e não podem ser comparadas entre si. O que vale é a comparação dentro de cada uma delas. Uma nota maior em matemática do que em ciências humanas não significa que os alunos sabem mais matemática – uma informação nada tem a ver com a outra.

E os dados analisados por área nos permitem um entendimento ainda melhor e mais profundo do que está acontecendo na escola. Por exemplo: se, ao acompanhar a evolução das notas por área de uma escola, percebermos que houve um crescimento significativo em redação, uma manutenção da nota em linguagem, um pequeno decréscimo em matemática e um crescimento modesto em ciências humanas e ciências da natureza.

A conclusão é de que se trata de uma escola onde a coordenação acompanha o trabalho dos professores e de que ações foram feitas para a melhoria dos resultados, especialmente em redação. Temos aqui mais um bom sinal em relação ao colégio.

Dá um pouco de trabalho fazer isso, mas nossos filhos merecem uma pesquisa mais minuciosa sobre o lugar onde crescerão e construirão boa parte de suas bases éticas, sociais e emocionais. Feito esse acompanhamento das escolas de interesse, o próximo passo é visitar a instituição e conhecer melhor tudo mais que for importante aos filhos, afinal eles são a parte mais importante de nossas vidas.

  • O texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL
  • Para enviar seu artigo, escreva para uolopiniao@uol.com.br

Notícias