Mesmo com eleições indiretas, procurador-geral defende intervenção no DF

Camila Campanerut

UOL Notícias <br> Em Brasília

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, diz estar convicto de que a melhor opção para o futuro do Distrito Federal é a intervenção federal. Para ele, o fato da votação ser decidida pelos 23 deputados que escolherão o novo governador e seu vice, sendo que pelo menos 10 deles foram citados no mesmo inquérito que investiga o caso de corrupção no DF, desqualifica a decisão.

O procurador foi à Casa Legislativa para defender o arquivamento do PL265/07, projeto de lei do deputado Paulo Maluf (PP-SP) que impõe penalidades severas aos integrantes do Ministério Público que cometerem excessos suas funções. A conhecida “Lei da Mordaça” pode entrar na pauta de votações desta semana.

"A idéia das eleições indiretas tem essa finalidade de enfraquecer o pedido de intervenção, mas ao contrário, o fortalece, porque coloca em pauta o colégio eleitoral, que em boa parte é formado por pessoas envolvidas no esquema. Com esses eleitores, que governador terá o Distrito Federal?", afirma Gurgel.

"A situação no Distrito Federal continua extremamente grave. Tem se passado uma aparência de normalidade, mas isso é só na superfície. O Ministério Público continua convencido de que a intervenção federal é a única alternativa", diz o procurador-geral.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos