Lula manda sindicalistas cobrarem Moro por 'prejuízos' da Lava Jato

Do UOL, em São Paulo

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva quer que as centrais sindicais cobrem do juiz Sérgio Moro a "estimativa" do suposto prejuízo econômico causado pela Operação Lava Jato. "É possível combater a corrupção sem fechar empresa?", questionou Lula no final do seu discurso durante Plenária Nacional de Sindicalistas em Defesa da Democracia, do Estado de Direito e Contra o Golpe, ocorrida na tarde desta quarta-feira (23), na Casa de Portugal, no bairro da Liberdade, centro de São Paulo.

"A operação de combate a corrupção é uma necessidade para esse país. Mas é bom vocês se reunirem, fazerem uma pesquisa, por que quando tudo isso terminar pode ter muita gente presa, mas pode ter muito desempregado nesse país", disse o ex-presidente.

Sindicalistas já haviam expressado que a Operação Lava Jato estaria inibindo investimentos em toda a economia por conta da incerteza jurídica, e que, com a economia devagar há demissões.

Durante o evento, convocado por seis das principais centrais sindicais do país, Lula criticou o impacto da política econômica do governo sobre a criação de empregos e os salários, afirmando que na época da sua gestão os trabalhadores tiveram ganhos reais nos salários.

"Empresários falavam que o trabalhador aqui estava muito caro, muito valorizado, mas agora está ficando barato outra vez porque quando tem desemprego, é a primeira coisa que eles fazem: diminuir o salário do trabalhador. Por isso, é preciso mudar a política econômica", disse. Lula afirmou ainda que "toda vez que se fala em corte, falamos em diminuir a capacidade de investimento do Estado".

Ele voltou a atacar os meios de comunicação e relembrou o caso Escola Base, quando denúncias de pedofilia em uma escola de São Paulo no começo dos anos 1990 se mostraram falsas. "Eu sei que estão fazendo comigo. Mas, eles não sabem que sou um nordestino que não morreu até os 5 anos de idade, escapei da fome, cheguei na presidência. Não vou desistir por meia dúzia de acusações. Continuem acusando.

Insatisfação sindical

Aos sindicalistas, Lula disse ter conhecimento das insatisfações da categoria sobre a política econômica do governo Dilma Rousseff, mas afirmou que é preciso lugar para que "não haja golpe". "A luta da classe trabalhadora não é só economicista, isso a gente resolve amanhã. Lutar contra o golpe é hoje."

Cerca de 500 pessoas acompanharam o ato convocado pela CUT (Central Única dos Trabalhadores) e CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), e conta com a presença também de representantes da UGT (União Geral dos Trabalhadores), Força Sindical, CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros) e Nova Central.

As centrais sindicais do país assinaram um manifesto em apoio ao governo da presidente Dilma Rousseff e ao ex-presidente Lula. No documento, eles citaram o suicídio de Getúlio Vargas, em 1954, e a deposição de João Goulart, em 1964. Diz o manifesto: "O momento requer unidade e demanda repúdio a atitudes antidemocráticas que, a pretexto do combate à corrupção, resultaram no suicídio de Getúlio Vargas, em 1954, e na deposição de João Goulart, em 1964"
 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos