Operação Lava Jato

Odebrecht falou tudo o que deveria, diz advogado; "Repetiu delação", afirma defesa de Temer

Rafael Moro Martins

Colaboração para o UOL, em Curitiba

  • Giuliano Gomes/Folhapress

    O empreiteiro Marcelo Odebrecht durante depoimento à CPI da Petrobras, em 2015

    O empreiteiro Marcelo Odebrecht durante depoimento à CPI da Petrobras, em 2015

Odebrecht "falou tudo o que deveria e o que poderia falar", disse no início da noite desta quarta-feira (1º) o advogado Luciano Feldens sobre o depoimento de seu cliente, o empreiteiro Marcelo Odebrecht, ao ministro-corregedor do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Herman Benjamin. O tribunal começou a colher nesta quarta depoimentos de delatores da Odebrecht na ação em que investiga se a chapa formada por Dilma Rousseff e Michel Temer cometeu abuso de poder político e econômico nas eleições presidenciais de 2014 - ação que poderá levar à cassação do presidente Temer e à inelegibilidade da ex-presidente Dilma.

A audiência de Odebrecht começou no horário previsto, por volta das 14h30, e terminou quatro horas depois, às 18h30. De acordo com Feldens, o depoimento de Odebrecht "foi concluído" --ou seja, não deverão ser necessários novos depoimentos do empreiteiro nesse processo.

"[O depoimento de Marcelo Odebrecht] Basicamente repete a delação [premiada] dele [na operação Lava Jato]", afirmou o defensor do presidente Michel Temer (PMDB) no processo no TSE, Gustavo Guedes. "É prematuro avaliar [o impacto das informações trazidas pelo empreiteiro]. Há que se buscar novas informações a respeito do que ele disse."

Segundo Guedes, Odebrecht --que respondeu a todas as perguntas que foram feitas, exigência decorrente do acordo de delação premiada-- levou consigo à sala de audiências uma planilha, que manuseou durante a audiência, que continha dados já informados na colaboração com a Justiça. "Ele disse que os documentos que tinha em mãos [hoje] constavam da delação", afirmou o advogado.

Os advogados que defendem a ex-presidente Dilma Rousseff e o PSDB deixaram o local sem falar com a imprensa.

Rafael Moro Martins/Colaboração para o UOL
Manifestantes protestam no TRE-PR antes do depoimento de Odebrecht

Segundo o defensor de Temer, participaram da audiência de Odebrecht o ministro Benjamin, integrantes do Ministério Público Eleitoral e advogados. Além de Guedes e Feldens, vieram a Curitiba José Eduardo Alckmin, advogado do PSDB no processo contra a chapa Dilma-Temer, e Renato Franco, que defende a ex-presidente Dilma Rousseff.

Odebrecht foi ouvido pelo corregedor-geral do TSE a respeito de uso de dinheiro pago como propina pela empreiteira em contratos com a Petrobras no possível caixa dois da campanha de Dilma-Temer para a Presidência da República de 2014. Em delação premiada, o ex-diretor de Relações Internacionais da empreiteira, Cláudio Melo Filho, relatou que Temer teria negociado pessoalmente um pagamento de R$ 10 milhões ao PMDB em 2014

Marcelo Odebrecht deixou o TRE-PR, na região central de Curitiba, às 18h38, na mesma viatura descaracterizada da Polícia Federal em que chegara ao local. Dali, foi levado à superintendência da PF, no Santa Cândida, região norte da capital, distante cerca de 13 km do tribunal.

Por determinação do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o teor do depoimento de Odebrecht ao TSE é sigiloso até que o STF (Supremo Tribunal Federal) decida se cabe ou não segredo sobre o conteúdo das 77 delações firmadas por executivos da empreiteira. 

Contas de campanha

Em dezembro de 2014, as contas da campanha da então presidenta Dilma Rousseff e de seu companheiro de chapa, Michel Temer, foram aprovadas com ressalvas pelo TSE. No entanto, o processo foi reaberto porque o PSDB questionou a aprovação, por entender que há irregularidades nas prestações de contas apresentadas por Dilma. Segundo entendimento do TSE, a prestação contábil do presidente e do vice-presidente é julgada em conjunto.

A campanha de Dilma Rousseff nega qualquer irregularidade e sustenta que todo o processo de contratação das empresas e de distribuição dos produtos foi documentado e monitorado. No início do mês, a defesa do presidente Michel Temer sustentou no TSE que a campanha eleitoral do PMDB não tem relação com os pagamentos suspeitos. De acordo com os advogados, não se tem conhecimento de qualquer irregularidade no pagamento dos serviços.

*Com informações da Agência Estado

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos