PUBLICIDADE
Topo

Política

PT diz que Doria "só pensa em 2018" e pede que MP investigue sequência de viagens

Nelson Antoine/Estadão Conteúdo
Imagem: Nelson Antoine/Estadão Conteúdo

Janaina Garcia

Do UOL, em São Paulo

22/08/2017 16h32

O diretório municipal do PT em São Paulo protocolou nesta terça-feira (22) uma representação no Ministério Público Estadual em que acusa o prefeito João Doria (PSDB) de ato de improbidade administrativa. Para o partido, o tucano supostamente se vale de viagens oficiais --feitas durante o expediente como prefeito-- para fins eleitorais em desacordo com o interesse público da função. Hoje, Doria é cotado como um dos nomes para a disputa das eleições de 2018.

A representação foi endereçada ao procurador-geral de Justiça, Gianpaolo Smanio. Nela, o diretório petista elencou as recentes viagens de Doria ao Sul, Norte e Nordeste do país --Curitiba, Salvador, Palmas, Natal e Fortaleza--, desde a semana retrasada, para receber homenagens de políticos e empresários. Em parte dessas agendas, o tucano foi saudado com gritos de “presidente”, como em Natal e Fortaleza, respectivamente, nas últimas quarta (16) e sexta-feira (18).

Para o PT municipal, o prefeito “participou de atividades de natureza política-eleitoral em prejuízo do exercício da sua função, abandonando a cidade, em horário de expediente, durante quase uma semana”, diz trecho do documento entregue ao MP. “A sua defesa enfática de que cumpria agenda como prefeito o leva a outras ilicitudes, quais sejam, ‘valer-se de viagens de trabalho para participar de eventos político-eleitorais’ e a ‘prática de ato de gestão visando sua promoção pessoal em detrimento do interesse público’”.

O partido pediu ainda ao MP que apure se o prefeito atentou contra o princípio da administração, “ferindo a probidade administrativa, ao participar de eventos patrocinados pela empresa privada Lide [Grupo de Líderes Empresariais], desrespeitando de forma clara o código de ética municipal”.

A menção ao Lide foi feita ao fato de Doria, segundo reportagem da "Folha de S.Paulo" no último sábado (19), ter feito uso da estrutura do Lide, grupo de empresários que ele fundou e do qual se licenciou, para rodar o país. Nas últimas semanas, o tucano se deslocou a cinco cidades para comparecer a eventos que tiveram o Lide entre os organizadores, de acordo com o jornal. 

Em nota, a Prefeitura de São Paulo afirmou que considera a atitude dos vereadores uma "ação política" e que "todas as ações do prefeito estão totalmente respaldadas nas leis vigentes". "O PT deveria concentrar seus esforços na defesa dos seus filiados que estão presos em razão da prática de atos de corrupção", disse o prefeito João Doriapor meio da nota.

"As viagens são curtas, muito objetivas. Eu tenho meu próprio avião, então viajo e não tem custo nenhum para a Prefeitura de São Paulo, como eu mesmo não tenho, doo todos os meus salários para entidades de terceiro setor”, afirmou o prefeito em entrevista à imprensa no Ceará, na sexta passada (18).

Ao MP, o partido pediu que sejam solicitados à prefeitura o roteiro de viagem e a agenda do prefeito dos dias 5, 12, 19, 27 e 28 de junho deste ano, e 3, 7, 14, 16 e 18 deste mês, bem como “os nomes daqueles que integraram a comitiva do prefeito nas datas”, “os custos despendidos durante as viagens (transporte, hospedagem, refeição), incluindo os custos da comitiva, bem como, as fontes de pagamentos dos referidos custos”. É solicitado ainda que se peça “os eventos organizados pela Lide de que o prefeito participou, bem como custo da estrutura dos eventos.”

“Ao analisar a agenda do prefeito nos três últimos meses, percebe-se que a maioria de suas viagens foram realizadas no horário de expediente. O prefeito esteve em Campinas, Rio Janeiro (duas vezes), Brasília (duas vezes). Resumidamente, o prefeito foi homenageado por entidades empresariais, participou de reuniões políticas com parlamentares no Congresso e da direção nacional de seu partido. Agora, no mês de agosto, com a aproximação das eleições de 2018 e as disputas internas ocorridas no PSDB, partido do prefeito, João Doria partiu literalmente para campanha eleitoral antecipada e abandonou a cidade de São Paulo”, define a representação.

Em nota, a assessoria de imprensa do MP confirmou o recebimento da representação e informou que ela foi encaminhada à assessoria técnica da procuradoria-geral de Justiça para análise.

"Doria só está pensando em 2018", diz presidente do partido

“Achamos que as viagens feitas pelo prefeito durante o mandato configuram um ato de improbidade administrativa, e cabe ao MP instaurar procedimento para investigar isso. Além da estrutura da prefeitura, se está sendo usada, queremos saber se há uso de aeronave de empresários para que essas viagens sejam feitas, uma vez que há decreto regulamentando isso na cidade em relação ao prefeito”, afirmou o presidente do diretório municipal do PT, Paulo Fiorilo.

Para Fiorilo, que foi vereador pelo PT na gestão de Fernando Haddad (PT), os argumentos de Doria sobre as viagens “são inconsistentes”. “Como alguém que trabalha aqui, e deveria estar a serviço da cidade, viaja para outras cidades e outros Estados recebido como candidato a presidente? Doria abandonou a cidade --só está pensando na eleição de 2018”, criticou.

Doria nega uso da máquina e finalidade eleitoral em viagens

Doria passou 47 dias de seus primeiros oito meses de governo fora de São Paulo e nega que esteja em campanha eleitoral para a Presidência da República, como atestam seus críticos. O tucano tem dito que percorre o país na condição de vice-presidente de Relações Institucionais da Frente Nacional dos Prefeitos.

Em entrevista à rádio Bandeirantes, nessa segunda (21), o prefeito de São Paulo, questionado sobre a quantidade de viagens para fora da capital paulista e do Estado, resumiu: "Sou diferente, sou moderno", definiu, na ocasião. "Em quase oito meses de gestão, eu fiz mais que meu antecessor. Acordo cedo, não sou preguiçoso. Faço todo dia minhas 14h-16h horas de trabalho", disse à rádio.

Procurada sobre a representação do diretório do PT, a Secretaria de Comunicação da Prefeitura ainda não se manifestou sobre o assunto.

Política