Topo

"Negro, gay e favelado": quem é o suplente de Jean Wyllys na Câmara

17.mai.2018 - O vereador David Miranda (PSOL) durante sessão na Câmara Municipal do Rio de Janeiro - Divulgação/Câmara do Rio
17.mai.2018 - O vereador David Miranda (PSOL) durante sessão na Câmara Municipal do Rio de Janeiro Imagem: Divulgação/Câmara do Rio

Gustavo Maia

Do UOL, em Brasília

24/01/2019 16h39Atualizada em 24/01/2019 19h08

A decisão do deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) de desistir do novo mandato e deixar o Brasil por medo de ameaças, revelada em entrevista exclusiva ao jornal "Folha de S.Paulo" nesta quinta-feira (24) , vai abrir espaço na Câmara dos Deputados para o vereador David Miranda, do Rio de Janeiro.

Do mesmo partido, ambos são assumidamente gays e eram amigos da vereadora carioca Marielle Franco, também do PSOL, assassinada em março do ano passado.

Seis dias depois da morte da parlamentar, ele usou as redes sociais para homenageá-la: "Marielle é semente! Marielle é gigante! Marielle está presente!".

Segundo a Folha, Jean Wyllys vive sob escolta policial desde o crime e tomou a decisão de abandonar a vida pública por conta da intensificação das ameaças de morte, comuns mesmo antes da execução da vereadora.

Suplência

Em outubro passado, Wyllys foi o deputado federal eleito no estado com o menor número de votos, 24.295.

Ele conseguiu uma das 46 vagas reservadas para o Rio de Janeiro por conta do quociente eleitoral oriundo da expressiva votação de nomes como o de Marcelo Freixo (mais de 342 mil votos) e Talíria Petrone (mais de 107 mil).

Miranda se tornou o primeiro suplente da coligação "Mudar é possível", composta por PSOL e PCB, ao obter 17.356 votos.

Perfil

Casado com o jornalista americano Glenn Greenwald, que revelou o esquema de espionagem dos Estados Unidos descoberto por Edward Snowden em 2013, ele disputou a primeira eleição em 2016. Foi eleito para a Câmara dos Vereadores do Rio.

Em sua biografia na página oficial do Facebook, ele se apresenta como "o primeiro vereador assumidamente LGBT" do Rio. 

"David Miranda é cria do Jacarezinho, negro, favelado e LGBT. Nunca conheceu seu pai e aos 5 anos ficou órfão de sua mãe", diz o texto. David Michael dos Santos Miranda tem 33 anos e declarou ter a cor/raça preta à Justiça eleitoral.

Ele e Greenwald moram no Rio e têm dois filhos adotivos, João e Jonathan. 

Em 2016, quando foi candidato a vereador, David Miranda declarou um total de R$ 74.825 em bens ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), em duas quotas de participação em empresas (Enzuli Management e Enzuli Viagens).

Ele recebeu R$ 321.707,50 em recursos para a campanha, e gastou R$ 312.009,94, ainda segundo o TSE.
 

Detido em Londres

No auge da repercussão das revelações de Snowden, o brasileiro foi detido e interrogado durante nove horas no aeroporto de Londres em agosto de 2013, quando tentava transportar documentos do ex-agente de inteligência norte-americano.

Segundo as autoridades britânicas, Miranda provavelmente estava envolvido em atividades de espionagem.

Greenwald, que ganhou o prêmio Pulitzer de Jornalismo de 2014, viria a fundar o site "The Intercept".

Após votar contra o impeachment, Jean Wyllys cospe em Bolsonaro

UOL Notícias

Mais Política