Topo

Após tensões, Twitter vive disputa de hashtags políticas com grafia errada

Jair Bolsonaro durante a transmissão de cargo para o Vice-Presidente da República, Hamilton Mourão, antes de viajar para os EUA - Carolina Antunes/PR
Jair Bolsonaro durante a transmissão de cargo para o Vice-Presidente da República, Hamilton Mourão, antes de viajar para os EUA Imagem: Carolina Antunes/PR

Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

18/05/2019 14h53

Após uma semana tensa para o governo federal com derrotas no Congresso Nacional e determinação de quebra de sigilo bancário e fiscal de pessoas próximas ao senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), as hashtags "impeachementbolsonaro" e "BoldonaroNossoPresidente" chegaram aos assuntos mais comentados hoje no Twitter no Brasil e viraram piada pelos erros de grafia.

Na primeira, "impeachement" está escrito com um "e" a mais após o "h". Na segunda, o sobrenome do presidente Jair Bolsonaro (PSL) saiu com um "d" no lugar de um "s". Por volta das 14h, mais de 33,5 mil tuítes haviam sido escritos com a primeira hashtag, e outros 10,8 mil tuítes usaram "#BoldonaroNossoPresidente".

Ainda não se sabe quem foi a primeira pessoa a escrever "BoldonaroNossoPresidente" no Twitter com a grafia errada.

Internautas que não se identificam com o presidente começaram a fazer piadas com o equívoco. Houve quem fizesse montagens do presidente com folhas de boldo e quem remetesse a hashtag à necessidade de Bolsonaro tomar chá de boldo.

Outros acreditam que perfis administrados por robôs favoráveis ao presidente da República possam ter cometido o erro, sem querer, na tentativa de defendê-lo.

Enquanto isso, parte dos apoiadores de Bolsonaro continua usando a hashtag "BoldonaroNossoPresidente" para elogiar o governo. Outra parte, no entanto, estimula o uso da hashtag com a grafia correta: "BolsonaroNossoPresidente".

Mais cedo, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) usou a hashtag com o sobrenome certo ao criticar parlamentares que se opõem à Medida Provisória 870, que trata da reestruturação ministerial proposta por seu pai e corre risco de não ser aprovada.

Mais Política