PUBLICIDADE
Topo

Moro: Apesar de casos de covid-19 em prisões, situação está 'sob controle'

Do UOL, em São Paulo

13/04/2020 17h43

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, afirmou na tarde de hoje a situação das penitenciárias está "sob controle" mesmo após confirmar casos de coronavírus nas unidades prisionais.

Durante entrevista coletiva interministerial sobre a covid-19 no país, Moro relatou que um preso no Distrito Federal teve "identificação tardia" do vírus e, por isso, pode ter infectado outros 20 detentos. O ministro também confirmou outros dois casos em unidades prisionais: um no Pará, que pode ter sido contaminado durante saída temporária, e outro no Ceará.

"A situação está sob controle. Estamos tomando cuidados necessários para identificar e cuidar para que os casos sejam devidamente isolados", afirmou Moro.

Mais cedo, em entrevista concedida à TV Band, o ministro já havia relatado sobre os casos registrados em presídios e defendido que o sistema carcerário não foi comprometido, apesar do contágio.

"Não existe um comprometimento do sistema carcerário. As pessoas às vezes colocam: 'ah, nós temos que soltar todo mundo, porque senão todo mundo vai morrer'. Não é bem assim. Nós temos que tratar essas questões sem paixão. Às vezes temos pessoas que são muito contra a prisão, ou muito favoráveis à prisão. Nós temos que tratar isso com a devida racionalidade e enfrentar os problemas a medida em que forem surgindo", disse ao apresentador José Luiz Datena.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP-DF) divulgou que os casos confirmados na unidade federativa são de 23 presos e 20 agentes penitenciários. Segundo o órgão, nenhum deles é grave e um dos agentes já se recuperou da doença.

"Dos agentes confirmados para a doença, seis são do Centro de Detenção Provisória, (CDP), 11 do Centro de Internamento e Reeducação (CIR) e três do Presídio do Distrito Federal II (PDF-II). Dos internos, dez são do CDP e 13 do CIR", diz o texto.

O Ministério da Saúde anunciou hoje que subiu para 1.328 o número de mortes pelo novo coronavírus no Brasil -- 105 mortes confirmadas nas últimas 24 horas. Até ontem, eram 1.223 óbitos.

No total, são 23.430 casos oficiais no país até agora, segundo o Ministério, com 1.261 diagnósticos de ontem para hoje. A pasta do governo não informa dados de curados da covid-19.

Suspensão de visitas

O ministro declarou que "não há motivo para pânico" e disse que a pasta tem adotado medidas para isolar a população carcerária de modo a evitar a contaminação externa.

"Isso passa por uma estratégia de evitar que o preso possa receber o vírus de pessoas que vão aos presídios e igualmente que ele possa sair do presídio e eventualmente retornar portando o coronavírus. Por isso foram suspensas as visitas", disse.

Moro afirmou que todos os estados suspenderam as visitas e que o ministério tem monitorado a situação das unidades prisionais por temor de que possam ocorrer rebeliões após a suspensão das visitas.

"Até o momento temos visto uma compreensão da população carcerária em relação a essas medidas", explicou o ministro.

Impacto na criminalidade

Moro disse que ainda não está claro qual o impacto da pandemia na criminalidade. Segundo o ministro, enquanto alguns estados têm reportado uma diminuição nas estatísticas sobre crimes, outros estados tem apontado aumento na criminalidade.

Ele afirmou que a Polícia Federal está especialmente atenta a um possível aumento nos crimes cibernéticos, como em golpes ligados ao pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 que está sendo pago pelo governo. "Nós estamos num mundo novo, porque nem nós, nem o mundo inteiro ainda tem presente quais vão ser as consequências da pandemia em relação à segurança pública e à atividade criminal", disse o ministro.

"Nossa preocupação principal é manter a segurança pública ativa, com os policiais aptos para realizar o seu trabalho", afirmou Moro.

Coronavírus