PUBLICIDADE
Topo

Abraham Weintraub está nos Estados Unidos, diz irmão e assessoria do MEC

7.mai.2020 - Abraham Weintraub, ex-ministro da Educação - Marcelo Camargo/Agência Brasil
7.mai.2020 - Abraham Weintraub, ex-ministro da Educação Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Do UOL, em São Paulo

20/06/2020 10h02Atualizada em 20/06/2020 13h15

O ex-ministro da Educação Abraham Weintraub está nos Estados Unidos, de acordo com uma publicação feita hoje nas redes sociais pelo irmão dele Arthur Weintraub, que é assessor especial do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). A informação também foi confirmada pela assessoria de imprensa do MEC (Ministério da Educação).

Horas após deixar o país, Weintraub, que é investigado pelo STF (Supremo Tribunal Federal), foi exonerado formalmente do cargo em um edição extra do Diário Oficial publicada na manhã de hoje.

Uma postagem feita hoje pelo ex-ministro para comemorar a marca de 900 mil seguidores no Twitter traz a localização de Miami, na Flórida.

Ao UOL, o MEC informou que Weintraub chegou hoje à cidade norte-americana em um voo comercial e viajou em classe econômica. A assessoria da pasta informou ainda que não pagou a passagem e disse não saber se ele ainda se encontra em Miami.

"Obrigado a todos pelas orações e apoio. Meu irmão está nos EUA", escreveu Arthur em sua conta no Twitter nesta manhã.

Ainda não está claro como ele chegou aos Estados Unidos já que o país anunciou em maio a proibição da entrada de estrangeiros vindos do Brasil em seu território. A decisão foi tomada após o Brasil se tornar o segundo país com maior número de pessoas infectadas pelo novo coronavírus.

A decisão norte-americana, porém, exclui funcionários de governo. Em tese, como ele ainda não havia sido sido exonerado, Weintraub poderia entrar entrar no país com um passaporte diplomático. Questionado sobre isso, o MEC não respondeu.

Ontem, o deputado federal Rogério Correia (PT-MG) afirmou que pediria a apreensão do passaporte do ex-ministro dizendo que ele poderia fugir do Brasil.

O próprio Weintraub afirmou querer deixar o país, em um tuíte ontem: "Estou saindo do Brasil o mais rápido possível (poucos dias). Não quero brigar! Quero ficar quieto, me deixem em paz, porém, não me provoquem!"

Ele anunciou sua saída do MEC na quinta-feira (18) se tornou o décimo ministro a deixar o governo Bolsonaro. Em um vídeo ao lado do presidente, ele afirmou ter recebido um convite para trabalhar no Banco Mundial. Se eleito, assumiria o posto em Washington (EUA).

Investigado pelo STF

O ex-ministro é investigado no inquérito das fake news, que apura ameaças e ofensas contra ministros do STF e seus familiares.

Em vídeo de uma reunião ministerial realizada no dia 22 de abril, ele defendeu a prisão dos integrantes da corte. "Eu, por mim, colocava esses vagabundos todos na cadeia. Começando pelo STF", declarou. Por 9 a 1, o STF decidiu na quarta-feira (17) manter Weintraub na mira do inquérito.

O segundo inquérito é sobre uma publicação feita por ele nas redes sociais. No início de abril, ele publicou uma imagem do gibi da Turma da Mônica em referência à China e, ao escrever sobre o coronavírus, trocou a letra R pelo L ao estilo do personagem Cebolinha. Em depoimento à PF, o ministro alegou ter usado "elementos de humor".

O comportamento de Weintraub voltou a ser assunto no último domingo (14), quando ele marcou presença em uma manifestação contra o STF e voltou a usar o termo "vagabundos". Ele também estava sem máscara, e por isso foi multado em R$ 2 mil pelo governo do Distrito Federal.

Banco Mundial

Indicado ao cargo de diretor executivo para o Banco Mundial, Weintraub, se aceito, ficará no cargo apenas até outubro. Em nota divulgada na quinta-feira (18), o Banco Mundial confirmou a indicação do governo brasileiro.

Agora, a nomeação precisa ser aceita pelos outros países que compõem o bloco com o Brasil.

Como o Brasil nunca teve uma indicação vetada, a expectativa é de que a nomeação seja aceita. O ex-ministro foi indicado ao cargo para substituir Fábio Kanczuk, que deixou a posição para ser diretor de política econômica do Banco Central. A economista Elsa Augustin assumiu como interina.

Política